Manifestantes furam barreira policial e entram na sede do Novo Banco

Os lesados do papel comercial estão hoje a manifestar-se em Lisboa, onde vão percorrer as sedes dos possíveis candidatos à compra do antigo BES.

Alguns dos manifestantes dos lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES) conseguiram quebrar a força policial e entraram na sede do Novo Banco na Avenida da Liberdade, em Lisboa, pelas 13:45.

Os restantes manifestantes, cerca de 150 pessoas, constatou a agência Lusa no local, continuam no exterior da sede do edifício do Novo Banco batendo nos vidros e gritando: "Queremos o nosso dinheiro".

Apesar de os manifestantes estarem junto do Novo Banco, o alvo das críticas e protestos tem sido o governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa.

Os manifestantes propõem após o protesto junto do Novo Banco ir em direção à sede da Tranquilidade, detida pela Apollo Management, um dos candidatos que tem sido avançado pela imprensa como interessado no Novo Banco.

Os lesados do papel comercial estão hoje a manifestar-se em Lisboa, onde vão percorrer as sedes dos possíveis candidatos à compra do Novo Banco.

O presidente da associação de lesados, Ricardo Ângelo, justifica que a administração do Novo Banco, liderada por Eduardo Stock da Cunha, "está completamente manietada pelo Banco de Portugal".

A mesma fonte afirmou hoje que o Presidente da República, Cavaco Silva, deverá receber hoje os lesados do papel comercial do GES. No entanto, a agenda do chefe de Estado não prevê qualquer encontro, exceto com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

Os manifestantes iniciaram o percurso no balcão do Novo Banco no Rossio e estiveram já em frente à sede do banco Santander Totta, na Rua do Ouro.

Depois da passagem pela Tranquilidade os protestantes irão ainda para a Fosun, outro eventual candidato à compra, terminando a visita na embaixada da China, na rua de São Caetano à Lapa, uma vez que um outro possível interessado, a seguradora Anbang, não tem representação em Portugal.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.