Mais formação e apoio domiciliário nos cuidados paliativos infantis

Estima-se que pelo menos seis mil crianças precisam destes cuidados. Recomendações devem estar implementadas para o ano.

Formação em cuidados paliativos pediátricos, pelo menos de nível básico, de todos os profissionais de saúde que trabalham com grávidas, crianças e jovens e promoção da prestação de cuidados ao domicílio. São estas, em síntese, as principais recomendações do grupo de trabalho encarregue de propor soluções para a oferta de cuidados paliativos para menores. Estima-se que residam em Portugal pelo menos seis mil crianças a necessitar deste serviço e que, destas, 200 morrem anualmente, a maioria em hospitais. As medidas devem estar implementadas no próximo ano. Em algumas das instituições trata-se de melhorar o que já existe.

É partir "quase do zero", reconhece ao DN a coordenadora do grupo de trabalho e pediatra oncologista no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa. Segundo Ana Lacerda, "existem algumas equipas que não são especializadas" nos IPO da capital e do Porto e "algum apoio domiciliário nos grandes centros hospitalares", que "é insuficiente para cobrir todas as necessidades". O "primeiro passo" deverá ser a aposta na formação dos profissionais, que pode ser de diversos níveis.

De acordo com o relatório datado de dezembro mas divulgado esta semana no Portal da Saúde, a formação de nível 1 em cuidados paliativos pediátricos destinar-se-á à generalidade dos estudantes e profissionais da área da saúde e deve ser oferecida em licenciaturas como Medicina, Enfermagem e Fisioterapia e em cursos básicos a introduzir no plano anual de formação dos hospitais; a de nível 2 aos "estudantes e profissionais das áreas da saúde materno-infantil e pediátrica que lidam mais frequentemente com a população com a necessidades paliativas" e traduzir-se-á à frequência de cursos específicos; e a de nível 3 "aos profissionais que exercem atividade exclusiva" em cuidados paliativos pediátricos e devem frequentar estágios em contexto prático.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos