Mais formação e apoio domiciliário nos cuidados paliativos infantis

Estima-se que pelo menos seis mil crianças precisam destes cuidados. Recomendações devem estar implementadas para o ano.

Formação em cuidados paliativos pediátricos, pelo menos de nível básico, de todos os profissionais de saúde que trabalham com grávidas, crianças e jovens e promoção da prestação de cuidados ao domicílio. São estas, em síntese, as principais recomendações do grupo de trabalho encarregue de propor soluções para a oferta de cuidados paliativos para menores. Estima-se que residam em Portugal pelo menos seis mil crianças a necessitar deste serviço e que, destas, 200 morrem anualmente, a maioria em hospitais. As medidas devem estar implementadas no próximo ano. Em algumas das instituições trata-se de melhorar o que já existe.

É partir "quase do zero", reconhece ao DN a coordenadora do grupo de trabalho e pediatra oncologista no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa. Segundo Ana Lacerda, "existem algumas equipas que não são especializadas" nos IPO da capital e do Porto e "algum apoio domiciliário nos grandes centros hospitalares", que "é insuficiente para cobrir todas as necessidades". O "primeiro passo" deverá ser a aposta na formação dos profissionais, que pode ser de diversos níveis.

De acordo com o relatório datado de dezembro mas divulgado esta semana no Portal da Saúde, a formação de nível 1 em cuidados paliativos pediátricos destinar-se-á à generalidade dos estudantes e profissionais da área da saúde e deve ser oferecida em licenciaturas como Medicina, Enfermagem e Fisioterapia e em cursos básicos a introduzir no plano anual de formação dos hospitais; a de nível 2 aos "estudantes e profissionais das áreas da saúde materno-infantil e pediátrica que lidam mais frequentemente com a população com a necessidades paliativas" e traduzir-se-á à frequência de cursos específicos; e a de nível 3 "aos profissionais que exercem atividade exclusiva" em cuidados paliativos pediátricos e devem frequentar estágios em contexto prático.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.