Mais de um milhão de alunos a caminho da escola

Mais de um milhão de alunos começa hoje a regressar às escolas da rede pública para um novo ano letivo, em 5.878 estabelecimentos de ensino.

As escolas iniciam as atividades letivas entre hoje e segunda-feira, mas a maioria opta por dedicar os primeiros dias ainda à organização interna ou a receber os pais e apresentar os projetos educativos

De acordo com dados estatísticos não consolidados, relativos a 2013/2014, havia 1.223.758 alunos na rede pública.

No âmbito do reordenamento da rede pública, haverá este ano menos 300 escolas do 1.º Ciclo, sendo os alunos transferidos para escolas mais recentes e distantes da residência, na maioria dos casos.

A GNR realiza, de hoje a segunda-feira, o período de abertura oficial do ano letivo, a operação "Regresso às aulas 2014/15", promovendo ações de sensibilização junto dos professores, alunos e encarregados de educação sobre segurança em ambiente escolar.

Há semelhança dos anos anteriores ainda há professores por colocar, pelo que o Sindicato Nacional dos Professores Licenciados requereu ao Ministério da Educação que seja alargado até 15 de outubro o período para atribuir novos horários anuais aos docentes.

Na terça-feira, a Federação Nacional de Educação (FNE) defendeu como "muito positiva" a redução do número de professores sem turmas atribuídas no arranque do ano letivo, confirmada pela divulgação das listas de colocações divulgadas naquele dia.

Mas para a Federação Nacional de Professores (FENPROF) as listas de colocações agora divulgadas representam "um ato de vingança" do Ministério da Educação para com os contratados que não fizeram a prova de avaliação, ao excluírem quase oito mil docentes nestas condições.

Quase 6.750 professores foram colocados nas escolas esta semana, na maioria docentes dos quadros do Ministério da Educação, mas, ainda assim, o ano arranca com 917 docentes efetivos sem turmas atribuídas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.