Mais de metade dos comboios cancelados devido à greve

De acordo com a CP, foram suprimidos 342 comboios

Mais de metade dos comboios programados pela CP para esta terça-feira foram suprimidos devido à greve dos trabalhadores ferroviários que termina na quarta-feira às 12:00, segundo dados divulgados pela empresa.

Em comunicado, a CP adiantou que dos 680 comboios previstos para hoje, foram suprimidos 342. Os números significam que que foram cancelados 50,3% e realizados 49,7%.

Por serviços, o maior impacto foi no serviço urbano de Lisboa, em que a maior parte dos comboios foi cancelada, tendo sido realizados 41% dos comboios programados.

Já nos serviços regional e de longo curso a maior parte dos comboios realizaram-se.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros

No serviço Regional foram efetuados 58,1% dos comboios programados e no serviço de longo curso 81,8% dos comboios programados.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou esta terça-feira que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros, quando a anterior, no passo dia 4, referiu uma perda de receitas de 1,3 milhões de euros.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único

A greve dos trabalhadores ferroviários - no transporte de passageiros - iniciou-se às 12:00 de hoje e decorre até às 12:00 de quarta-feira, tendo causado supressões em todos os serviços, à exceção dos urbanos do Porto.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único.

A paralisação - a segunda este mês - abrange os trabalhadores com local de trabalho entre Coimbra e Vila Real de Santo António.

O mesmo modelo será utilizado para a greve de 23 e 24 de junho, entretanto anunciada, mas para os trabalhadores a Norte de Coimbra.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".