Mais de metade dos comboios cancelados devido à greve

De acordo com a CP, foram suprimidos 342 comboios

Mais de metade dos comboios programados pela CP para esta terça-feira foram suprimidos devido à greve dos trabalhadores ferroviários que termina na quarta-feira às 12:00, segundo dados divulgados pela empresa.

Em comunicado, a CP adiantou que dos 680 comboios previstos para hoje, foram suprimidos 342. Os números significam que que foram cancelados 50,3% e realizados 49,7%.

Por serviços, o maior impacto foi no serviço urbano de Lisboa, em que a maior parte dos comboios foi cancelada, tendo sido realizados 41% dos comboios programados.

Já nos serviços regional e de longo curso a maior parte dos comboios realizaram-se.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros

No serviço Regional foram efetuados 58,1% dos comboios programados e no serviço de longo curso 81,8% dos comboios programados.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou esta terça-feira que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros, quando a anterior, no passo dia 4, referiu uma perda de receitas de 1,3 milhões de euros.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único

A greve dos trabalhadores ferroviários - no transporte de passageiros - iniciou-se às 12:00 de hoje e decorre até às 12:00 de quarta-feira, tendo causado supressões em todos os serviços, à exceção dos urbanos do Porto.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único.

A paralisação - a segunda este mês - abrange os trabalhadores com local de trabalho entre Coimbra e Vila Real de Santo António.

O mesmo modelo será utilizado para a greve de 23 e 24 de junho, entretanto anunciada, mas para os trabalhadores a Norte de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.