Mais de metade dos comboios cancelados devido à greve

De acordo com a CP, foram suprimidos 342 comboios

Mais de metade dos comboios programados pela CP para esta terça-feira foram suprimidos devido à greve dos trabalhadores ferroviários que termina na quarta-feira às 12:00, segundo dados divulgados pela empresa.

Em comunicado, a CP adiantou que dos 680 comboios previstos para hoje, foram suprimidos 342. Os números significam que que foram cancelados 50,3% e realizados 49,7%.

Por serviços, o maior impacto foi no serviço urbano de Lisboa, em que a maior parte dos comboios foi cancelada, tendo sido realizados 41% dos comboios programados.

Já nos serviços regional e de longo curso a maior parte dos comboios realizaram-se.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros

No serviço Regional foram efetuados 58,1% dos comboios programados e no serviço de longo curso 81,8% dos comboios programados.

O presidente da CP, Carlos Nogueira, estimou esta terça-feira que esta greve deverá ter um impacto de 700 mil euros, quando a anterior, no passo dia 4, referiu uma perda de receitas de 1,3 milhões de euros.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único

A greve dos trabalhadores ferroviários - no transporte de passageiros - iniciou-se às 12:00 de hoje e decorre até às 12:00 de quarta-feira, tendo causado supressões em todos os serviços, à exceção dos urbanos do Porto.

Os trabalhadores querem garantir, com as paralisações, que os comboios vão continuar a operar com dois agentes, apesar de a lei permitir a circulação de comboios em regime de agente único.

A paralisação - a segunda este mês - abrange os trabalhadores com local de trabalho entre Coimbra e Vila Real de Santo António.

O mesmo modelo será utilizado para a greve de 23 e 24 de junho, entretanto anunciada, mas para os trabalhadores a Norte de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.