Quase 2000 pessoas assinaram petição contra alterações da linha Amarela

Em causa está o novo plano de expansão do Metro

Perto de 1.900 pessoas assinaram uma petição contra as alterações da linha Amarela do Metro de Lisboa, considerando que a criação de uma linha circular deixará de ser uma "opção atrativa" para a maioria dos milhares de passageiros.

Em causa está o novo plano de expansão do Metro, segundo o qual a linha Amarela passará a ligar Odivelas a Telheiras (com desvio no Campo Grande) e as restantes atuais estações que fazem parte desta linha (Cidade Universitária-Rato) passarão a fazer parte da Verde, que irá assumir um trajeto circular.

Essa alteração irá ocorrer quando estiver concluída a expansão entre o Rato e o Cais do Sodré.

Para os peticionários, os milhares de passageiros que hoje apanham o Metro no concelho de Odivelas e na parte Alta de Lisboa, "vão ser obrigados a mudar de linha no Campo Grande para chegar a estações como o Rato, o Marquês de Pombal ou o Saldanha, no centro da capital, que transitam para a futura linha verde circular".

O texto que acompanha a petição refere ainda que "só quem não apanha o metro todos os dias, é que não sabe o transtorno que é a mudança de linha, muitas vezes a espera pelo metro é superior ao tempo da viagem em si".

É também dado o exemplo que, numa viagem na linha Amarela pelas 9:00, muitas vezes os passageiros da Quinta das Conchas (e até por vezes do Lumiar) "não conseguem entrar nas carruagens por estas estarem completamente cheias".

"Todos estes passageiros, terão que sair obrigatoriamente no Campo Grande para trocar para a 'nova Linha Verde', que irá trazer já passageiros dentro das carruagens. Será, obviamente impossível que todos consigam apanhar o primeiro metro que chegue, por isso, muitos vão ter que esperar por um segundo metro", refere o documento.

Há ainda o exemplo do caso de um passageiro que viva na Quinta das Conchas e que vá para Cidade Universitária, ter que esperar pelo metro duas vezes, para fazer duas estações, enquanto uma pessoa que viva no Lumiar e que vá para o Oriente, vulgo Expo, passará a ter que esperar pelo metro três vezes.

Segundo os signatários, o metro deixará de ser "uma opção atrativa" para os 18,7 milhões de entradas e saídas de passageiros que se registaram nas estações da linha Amarela a norte do Campo Grande só no ano passado.

"Assim, muitos destes passaram a levar o seu carro para o centro da cidade afetando a vida de todos os lisboetas. Aumentando o tráfego automóvel, o aumento da sinistralidade rodoviária, o aumento do stress, o aumento da poluição e o aumento da poluição sonora entre outros", refere o texto.

Por tudo isto, os signatários da petição consideram não ser possível considerar estações como a Ameixoeira, Lumiar, Quinta das Conchas e Telheiras, que pertencem ao município de Lisboa, como "intercidades".

O presidente do Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa (ML), Vítor Domingues dos Santos, defendeu, em março, que a solução de construção de uma linha de circular é a que melhor serve os interesses dos utilizadores daquele meio de transporte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.