"Mais 934 camas" para cuidados continuados em 2014

O Governo anunciou hoje que vai autorizar a contratação de "mais 934 camas" para os cuidados continuados em 2014, "de forma a dar resposta às necessidades que se têm sentido nesta área assistencial".

Em comunicado divulgado ao início da madrugada, o Ministério da Saúde revela que a Região de Lisboa e Vale do Tejo, por ser "apontada como a mais deficitária do país", é a que vai receber mais camas (408), seguida da Administração Regional de Saúde (ARS) Norte, com 310, da ARS Centro, com 211, e da ARS Alentejo, com cinco camas.

"O Ministério da Saúde, em conjunto com o Ministério da Segurança Social, vai autorizar a contratação, para 2014, de mais 934 camas destinadas aos cuidados continuados, de forma a dar resposta às necessidades que se têm sentido nesta área assistencial", lê-se no comunicado divulgado hoje.

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde, "em 2012 foram abertas 316 novas camas e em 2013 abriram-se 731, num total de 1.047 camas em dois anos".

A disponibilização destas camas "representa um acréscimo de despesa anual de 13,5 milhões de euros por ano", refere o Ministério da Saúde no comunicado, acrescentando que "desde 2012, o acréscimo anual de despesa já foi de 14 milhões de euros".

"A atual rede é composta por 6.642 camas, o que representa um custo anual de 126 milhões de euros. No final da contratação de todas as camas já autorizadas, a rede ficará com quase 8.000 camas", acrescenta o Ministério da Saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.