Maioria chumba proposta para travar municipalização da Carris e STCP

Alterações aos decretos-lei aprovadas

A maioria de esquerda na Assembleia da República aprovou hoje alterações aos decretos-lei de municipalização das transportadoras Carris e da STCP, rejeitando o "chumbo" dos diplomas por parte do PSD.

No momento da votação, após um debate no parlamento, PS, PCP, BE, PEV e PAN votaram contra os projetos do PSD para a cessação de vigência dos dois diplomas. O PSD votou a favor e o CDS absteve-se.

Além das propostas já anunciadas pelo PCP, o Bloco de Esquerda também apresentou propostas de alteração aos diplomas, que agora serão discutidos em comissão parlamentar.

Regimentalmente, as propostas de alteração do PCP e do Bloco de Esquerda baixam agora para discussão na comissão parlamentar.

Os comunistas propõem uma norma travão, para impedir que reverta para o Setor Empresarial do Estado uma qualquer privatização total ou parcial, seja da Carris seja da STCP, e garantir o alargamento da contratação coletiva a todas as empresas da transportadora de Lisboa.

É igualmente proposto que se garanta uma maior articulação entre as autoridades de transportes e os municípios quanto à integração do tarifário e oferta intermunicipal.

Quanto à STCP, propõe-se que o Estado e a Área Metropolitana do Porto (AMP) articulem competências e que os municípios sejam envolvidos na articulação de competências, prevendo-se também a definição de critérios de prestação de serviço público.

O Bloco de Esquerda (BE) propõe igualmente que se mantenha, na Carris, os instrumentos de regulamentação coletiva, uma maior articulação quanto às competências das autoridades de transportes.

A criação de um conselho consultivo da Carris, com representantes de autarquias em torno de Lisboa, como Loures, Odivelas, Amadora, Oeiras e Almada, é proposto também pelos bloquistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.