MAI lança concurso para investimentos em instalações da PSP e GNR

O Ministério da Administração Interna lançou a concurso seis projetos para melhorar as infraestruturas da PSP e GNR, no valor global de cerca de 13 milhões de euros.

O Ministério da Administração Interna (MAI) indicou esta quarta-feira que lançou a concurso seis projetos de execução para investimentos em infraestruturas da PSP e GNR no valor global de cerca de 13 milhões de euros.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o MAI adianta que este investimento corresponde a duas empreitadas de construção de raiz das divisões da PSP do Seixal e de Vila do Conde e a quatro empreitadas de reabilitação e adaptação no edifício da direção nacional da PSP em Lisboa, no edifício do comando distrital da PSP de Portalegre, na divisão da PSP de Almada e no posto territorial da GNR de Borba.

O MAI refere também que assinou hoje com a Câmara Municipal de Alpiarça um protocolo para a cedência de um terreno com vista à construção do posto territorial da GNR, num investimento estimado em cerca de 750.000 euros.

Segundo o MAI, este investimento está estimado em cerca de 750.000 euros, mas o valor só será definido em concreto após conclusão do projeto de execução.

O protocolo foi assinado entre a Câmara Municipal de Alpiarça, a Secretaria Geral da Administração Interna e a Guarda Nacional Republicana, numa cerimónia presidida pela secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.