MAI lança concurso para investimentos em instalações da PSP e GNR

O Ministério da Administração Interna lançou a concurso seis projetos para melhorar as infraestruturas da PSP e GNR, no valor global de cerca de 13 milhões de euros.

O Ministério da Administração Interna (MAI) indicou esta quarta-feira que lançou a concurso seis projetos de execução para investimentos em infraestruturas da PSP e GNR no valor global de cerca de 13 milhões de euros.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o MAI adianta que este investimento corresponde a duas empreitadas de construção de raiz das divisões da PSP do Seixal e de Vila do Conde e a quatro empreitadas de reabilitação e adaptação no edifício da direção nacional da PSP em Lisboa, no edifício do comando distrital da PSP de Portalegre, na divisão da PSP de Almada e no posto territorial da GNR de Borba.

O MAI refere também que assinou hoje com a Câmara Municipal de Alpiarça um protocolo para a cedência de um terreno com vista à construção do posto territorial da GNR, num investimento estimado em cerca de 750.000 euros.

Segundo o MAI, este investimento está estimado em cerca de 750.000 euros, mas o valor só será definido em concreto após conclusão do projeto de execução.

O protocolo foi assinado entre a Câmara Municipal de Alpiarça, a Secretaria Geral da Administração Interna e a Guarda Nacional Republicana, numa cerimónia presidida pela secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.