Macron destaca amizade entre Portugal e França no centenário de La Lys

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estiveram em Paris para homenagear os "combatentes da Grande Guerra"

O Presidente francês destacou esta segunda-feira, no Cemitério Militar Português de Richebourg, "a amizade entre Portugal e França" numa intervenção na cerimónia evocativa do centenário da Batalha de La Lys.

Emmanuel Macron discursou depois do Presidente português e recordou que a Batalha de La Lys, a 9 de abril de 1918 - na qual os portugueses foram destroçados pelas tropas alemãs - é simbolicamente equivalente "à batalha de Verdun" para os franceses.

"A amizade entre Portugal e França é uma amizade profunda e solidária, cimentada por milhares de portugueses e franceses de origem portuguesa, cimentada pelo sangue vertido pelos que aqui vieram defender a nossa liberdade", afirmou o Presidente francês, depois de lembrar que "é a memória de todos os soldados portugueses" que hoje se recorda.

Emmanuel Macron lembrou que no Cemitério Militar Português de Richebourg "estão perto de 2.000 soldados portugueses" que lutaram numa "guerra absurda e tão dolorosamente fratricida" e caracterizou o cemitério como "um símbolo de amizade e solidariedade europeia e não de rancor nacionalista".

O chefe de Estado francês manifestou o desejo de que "nunca mais os povos e nações da Europa tenham de se defrontar", num "momento em que a Europa duvida de si" própria.

Macron recordou também que "a Europa viveu um pesadelo", num "passado comum", mas que "o futuro deve ser partilhado", algo que é um dever para "a história, os mortos e a juventude".

Hoje, as comemorações do centenário da batalha de La Lys incluem também a inauguração da exposição "Racines", sobre descendentes de soldados portugueses, em Richebourg, uma cerimónia militar junto ao Monumento dos Mortos, em La Couture, o descerrar de placas em Arras e Lille e visitas a exposições nessas cidades.

No domingo, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estiveram em Paris para descerrar uma placa, na Avenue des Portugais, em "homenagem aos combatentes da Grande Guerra" e participaram numa cerimónia militar de homenagem ao Soldado Desconhecido no Arco do Triunfo, perante largas dezenas de portugueses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?