Luís Pisco é novo presidente da ARS Lisboa e Vale do Tejo

Substituiu Rosa Matos Zorrinho, que foi nomeada secretária de Estado da Saúde

Luís Pisco é o novo presidente do conselho diretivo da Administração Regional de Lisboa e Vale do Tejo (ARS LVT), em substituição de Rosa Matos, a nova secretária de Estado da Saúde, anunciou a tutela.

Em comunicado, o ministro da Saúde informa que o até aqui vice-presidente da ARS LVT passa a exercer o cargo de presidente, deixado vago por Rosa Matos Zorrinho, que substituiu Manuel Delgado na secretaria de Estado da Saúde.

Luís Pisco é licenciado em medicina, especialista em medicina familiar e em medicina do trabalho. Foi diretor do Instituto da Qualidade em Saúde e coordenador da missão para os cuidados de saúde primários.

Como vice-presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo é nomeada Laura Maria Figueiredo de Sousa Dâmaso da Silveira, que era assessora do conselho diretivo da mesma ARS.

Manuel Delgado pediu a demissão do cargo de secretário de Estado da Saúde na terça-feira, dias depois da emissão de uma reportagem pela TVI, na qual se refere que foi contratado entre 2013 e 2014 pela associação "Raríssimas", com um vencimento de três mil euros por mês, tendo recebido um total de 63 mil euros.

O secretário de Estado alegou, logo após a emissão da reportagem, que se tratou de uma "colaboração técnica" com a associação "Raríssimas" e que nunca participou em decisões de financiamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.