Luís Montenegro diz que não há processo de sucessão aberto no PSD

Líder da bancada parlamentar do partido considera que não há "qualquer problema" de liderança

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou que não há nenhum processo de sucessão aberto no PSD, que "tem uma escolha muito consciente" da sua liderança, considerando que é do "interesse" dos adversários políticos "alimentar essas notícias".

"Não há, de maneira nenhuma, um processo de sucessão, nem de movimentação interna, sendo esse tipo de considerações da espuma mediática", disse à agência Lusa na segunda-feira à noite, à margem de um debate do Clube dos Pensadores, em Vila Nova de Gaia, no Porto.

Luís Montenegro disse que o PSD tem um líder que ganhou as duas últimas eleições legislativas, que foi sufragado num congresso e que tem liderado a oposição no Parlamento e fora dele e que, por isso, não há "qualquer problema" de liderança.

"O PSD tem uma escolha muito consciente da sua liderança e uma confiança muito grande [nela]", acrescentou.

Contudo, o líder da bancada social-democrata na Assembleia da República explicou que isso não significa que não haja pessoas a ter posições diferentes e até a ponderarem, no futuro, poder assumir e protagonizar alternativas porque o PSD é um partido "grande e com sentido crítico".

Questionado sobre se poderia ser uma dessas alternativas, Luís Montenegro respondeu que a questão não está em aberto.

Na opinião do social-democrata, interessa "muito" aos adversários políticos do partido, nomeadamente ao líder do PS, António Costa, e ao presidente, Carlos César, "alimentarem" notícias dessas.

"Se há pessoas que se deviam preocupar com liderança era António Costa e o correligionário Carlos César porque esses sim perderam as eleições e afastaram o PS daquele que foi o seu posicionamento programático e identitário dos últimos 30 anos", sustentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.