Luís Montenegro admite candidatura à liderança

"Não depende mesmo de ninguém, depende da avaliação que vou fazendo", assegurou o ex-líder parlamentar do PSD na TSF

Luís Montenegro afirmou, no novo espaço de debate na TSF com o socialista Carlos César, que tem a responsabilidade "de ponderar, de ouvir as pessoas de captar os melhores indicadores para ter uma boa opção para o PSD".

Quando questionado se faria depender a sua eventual candidatura à liderança do partido do avanço do eurodeputado Paulo Rangel, rejeitou essa ideia. "Tenho liberdade de decidir o que é melhor para o país e para o meu partido".

Afirmou ainda que vai ouvir muita gente neste processo de reflexão.

Especificamente sobre a eventual candidatura de Rui Rio, Luís Montenegro disse que, se avançar, o ex-presidente da Câmara do Porto "faz muito bem, é legítimo, expectável e muito positivo que o faça".

Sobre os resultados autárquicos, Montenegro admitiu que "o resultado foi mau", dizendo que as responsabilidades estão distribuídas pelas estruturas locais, mas "também pelas orientações nacionais".

Nas eleições autárquicas de domingo, o PSD perdeu oito lideranças de câmaras municipais, ficando com 98 presidências (79 sozinhos e 19 em coligação), mas em termos de votos e percentagem quase não houve variações, tendo conseguido, sozinho, 16,08% dos votos (em 2013 foram 16,70%).

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."