Lojas da Av. da Liberdade abertas e com alguns clientes

As lojas da Avenida da Liberdade, em Lisboa, continuam abertas e há mesmo alguns clientes que espreitam descontraidamente roupas e sapatos.

Os funcionários das lojas preferem não dar entrevistas aos jornalistas, mas mostram-se tranquilos quanto à passagem da manifestação.

Também as esplanadas desta avenida emblemática da capital acolhem algumas pessoas que tomam café enquanto já muitas centenas de manifestantes aderem ao protesto.

Numa altura em que já arrancou o desfile do Marquês de Pombal para o Terreiro do Paço, a circulação de pessoas na Avenida da Liberdade, em Lisboa, já é grande, avistando-se uma multidão até à Praça dos Restauradores.

Em ritmo de passeio, muitas centenas de pessoas de todas as idades deslocam-se nos sentidos da Avenida, em que a presença policial é discreta.

O movimento "Que se lixe a 'troika'" convocou para hoje manifestações em mais de 40 cidades, em Portugal e no estrangeiro, para pedir o fim das políticas de austeridade.

Com o lema "Que se lixe a 'troika', o povo é quem mais ordena", a manifestação de Lisboa, que conta com o apoio da CGTP, coincide com a presença da delegação da 'troika' (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional), na capital, para fazer a sétima avaliação do memorando de entendimento.

A PSP já anunciou que o policiamento para as manifestações vai ser "o adequado e necessário", para garantir a segurança.

As manifestações foram antecedidas por diversos protestos, junto de governantes, quase sempre ao som de "Grândola, Vila Morena".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.