Local "ideal" para nova travessia Porto/Gaia é entre pontes Luiz I e D. Maria

Presidente da Câmara do Porto garante que ainda não há projeto ou estudo

O presidente da Câmara do Porto defendeu hoje que a localização "ideal" para uma nova travessia rodoviária sobre o Douro seria "entre a pontes Luiz I e de D. Maria", mas notou não existir quaisquer projetos ou estudos.

Em declarações aos jornalistas nos Paços do Concelho, Rui Moreira observou que a nova ponte "pode ser à cota baixa", alertando que "a amarração" nas cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia "tem [ainda] de ser estudada com todo o cuidado", nomeadamente "no âmbito dos planos desenvolvimento dos municípios de ambos os lados".

"Se me pergunta se há um projeto a ser trabalhado, a resposta é não. Há é uma intenção e uma preocupação óbvia dos municípios. Gaia e do Porto colaboram um com o outro, têm uma excelente relação e têm vindo a equacionar quer isso, quer outros aspetos fundamentais de vizinhança", afirmou o autarca.

Questionado pelos jornalistas sobre a avaliação em curso de uma nova ponte sobre o Douro, avançada pelo próprio autarca na Assembleia Municipal do Porto de segunda-feira, Moreira indicou que a "solução" começou a ser equacionada depois de se perceber ser inviável o alargamento dos passeios para circulação pedonal e de bicicletas no tabuleiro inferior da ponte Luiz I.

"Houve um anteprojeto que defendia o alargamento do tabuleiro inferior da ponte Luiz I, permitindo que, através de passagens exteriores, fosse feita passagem para peões e bicicletas, libertando a faixa para o trânsito rodoviário", descreveu o autarca.

Contudo, alertou Moreira, "esse projeto não tem condições para andar porque não merece aprovação das entidades que classificam a ponte".

"Em função disso, o que falamos com Gaia é que temos de encontrar soluções. Essas soluções podem passar pela construção de uma nova ponte", esclareceu.

"Entendemos que seria mais interessante olhar para uma ponte a montante da Luiz I", acrescentou.

Quanto à localização exata, Moreira começou por responder "teremos que ver", admitindo depois como "ideal" entre as pontes Luiz e de D. Maria.

"Mas isso implica a amarração dos dois lados e isso está muito longe de ser estudado", alertou.

Questionado sobre se a ponte D. Maria não seria opção, Moreira notou que aquela travessia, que serviu a ferrovia, "não tem condições", nem a melhor localização.

"Gaia tem, para a ponte D. Maria, um projeto de ecopista que temos vindo a acompanhar. Esse projeto sim, parece fazer sentido. [A ponte D. Maria] não resolve problemas de mobilidade, até porque, dos dois lados, a atracação não faz muito sentido", afirmou.

O autarca observou ainda que, "se for pedonal", a nova travessia "tem de ser a cota baixa", mas que o mesmo pode acontecer "se for rodoviária".

"Só temos uma passagem à cota baixa, que é o tabuleiro inferior da Luiz I. Não temos nenhuma à cota média e as outras são todas à cota alta. Temos, de facto, um problema histórico nas ligações Porto--Gaia", notou.

Para Moreira, "estas questões têm de ser estudadas com todo o cuidado".

"O problema é a amarração dos dois lados. Isto tem de ser visto no âmbito dos planos desenvolvimento dos municípios de ambos os lados, disse.

A câmara do Porto revelou na terça-feira que está, juntamente com a congénere de Vila Nova de Gaia, a "avaliar a possibilidade de construir uma nova ponte" sobre o Douro e que, "caso avance a ideia, a localização mais provável será a montante da ponte Luiz I".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.