Zona de Entrecampos vai mudar

Terrenos da antiga feira popular vão receber torres de escritórios e habitação

A área de Entrecampos que durante décadas albergou a Feira Popular vai sofrer uma revolução urbanística.

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, apresentou hoje a Operação Integrada de Entrecampos, projeto que qualificou como uma "das maiores operações urbanísticas que a cidade de Lisboa conheceu nas últimas décadas". Os terrenos serão destinados sobretudo à construção de escritórios, mas terão também 279 habitações, em regime de venda livre por privados. No local haverá também um jardim de grandes dimensões. Segundo Fernando Medina, a autarquia propõe que "um terço da área dos terrenos da antiga Feira Popular seja um jardim".

A operação - que será financiada, na componente pública, pela venda dos terrenos a privados - prevê ainda a construção de 700 fogos de habitação de renda acessível na zona de Entrecampos (515 construídos pelo município), de um parque de estacionamento público na Avenida 5 de outubro, de três creches e um jardim-de-infância, uma unidade de cuidados continuados e de um centro de dia com valência de lar.

Além dos fogos de construção municipal, que serão erigidos num loteamento (que é propriedade da câmara) na Avenida das Forças Armadas, o plano prevê também a reabilitação e afetação para uso habitacional de 122 novas casas na Avenida da República e Campo Grande, atualmente propriedade da Segurança Social, mas que serão adquiridos pelo município.

Amanhã, o executivo camarário deverá aprovar uma proposta para a abertura de um período de discussão pública do projeto para Entrecampos.

Depois de duas tentativas falhadas, os terrenos da antiga Feira Popular vão ser colocados novamente em hasta pública, mas agora divididos em três parcelas, a que se juntará uma quarta, de um terreno na Avenida Álvaro Pais. Medina remeteu para o próximo mês de setembro a decisão final sobre o processo de venda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.