Lisboa é uma das finalistas a Capital Europeia Verde 2019

Prémio da Comissão Europeia quer reconhecer os esforços para tornar as cidades amigas do ambiente e sustentáveis

Lisboa é uma das cinco cidades finalistas na corrida para a categoria Capital Europeia Verde de 2019, foi hoje anunciado pela Comissão Europeia.

A capital portuguesa concorre com Gent (Bélgica), Lahti (Finlândia), Oslo (Noruega) e Talin (Estónia), na categoria de cidades com mais de 100 mil habitantes.

Segundo um comunicado da Comissão Europeia, este ano foi recebido um número recorde de candidaturas ao prémio que é atribuído anualmente com o objetivo de reconhecer os esforços das cidades com um plano para se tornarem amigas do ambiente e envolvam a sua população na sustentabilidade ambiental, social e económica.

Segundo dados de Bruxelas, mais de dois terços dos europeus vivem em áreas urbanas, o que envolve dificuldades relacionadas com o consumo de energia, poluição, habitação, desemprego, transporte e qualidade das águas.

A Comissão Europeia acredita que o prémio pode inspirar outras cidades que queiram assim seguir os passos da vencedora e diminuir a sua pegada ecológica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.