Lisboa é a primeira cidade a ganhar prémio para regiões

Capital conquistou, a par da região da Irlanda do Norte (Reino Unido) e da Comunidade de Valência (Espanha), o galardão "Região Empreendedora da Europa 2015", atribuído pelo Comité das Regiões (CR).

Os números falam por si: atualmente, há em Lisboa 12 espaços de incubadoras de empresas que já criaram 900 postos de trabalho e deram origem a mais de 260 start-ups, a que se juntam quatro laboratórios para a construção de protótipos e 15 espaços de co-working.

O cenário, descrito ao DN pela vereadora da Economia na câmara municipal, é bem distinto do de há dois anos, quando, na sequência do Orçamento Participativo, abriu na Baixa da capital a primeira incubadora da cidade, numa parceria entre o município, o banco Montepio e o IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação. Hoje, a rede que entretanto foi implementada está longe de depender exclusivamente do município.

"Não fazia sentido a câmara sozinha nisto", explica Graça Fonseca, frisando só assim é possível garantir que, no dia em que mudar o executivo, não se perde uma dinâmica que, desde esta quarta-feira, ostenta um prémio de reconhecimento europeu.

"Esta 'label' [marca] é importante para dar outro perfil da cidade de Lisboa", salientou, na cerimónia de entrega do galardão que decorreu esta tarde em Bruxelas (Bélgica), o presidente da autarquia.O objetivo, precisou António Costa, é que, tal como é reconhecida frequentemente pelas suas características turísticas, a capital seja também considerada internacionalmente um bom local para "trabalhar, investir e viver".

Até porque, sustenta Graça Fonseca, além de "não ser muito grande", o mercado nacional "atravessa uma fase complicada", fruto da situação financeira registada ao longo dos últimos três anos e que também não foi esquecida pelo líder do município.

Sem esconder a sua satisfação pela distinção alcançada, o autarca lembrou, perante o plenário de representantes locais dos 28 Estados-Membros da União Europeia, que a distinção surge numa altura em que Portugal se debate com "uma crise profunda", apresentando-se, acrescentaria mais tarde aos jornalistas, como uma forma de combater a "fuga de cérebros" que afeta diversos países europeus.

A existência de programas que oferecem noções de empreendedorismo a jovens em idade escolar - no ensino secundário, há até a "obrigatoriedade" de criar uma empresa fictícia - e a disponiblização de mentores a quem está a iniciar o seu caminho empresarial foram, de resto, um dos pontos elogiados pelo júri da iniciativa.

"A estratégia resultante é um modelo válido para o modo como os municípios e as regiões poderão transformar os objetivos da Estratégia Europa 2020 em ações concretas, adaptadas às necessidades locais", sintetizou o presidente do CR, Ramón Luis Valcárcel Siso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.