Lisboa é a cidade do país mais pesquisada na net

A procura sobre municípios nacionais cresceu 39,5% nos motores de busca. Tópicos ligados ao turismo são os mais registados

Portugal está cada vez mais na mira dos investidores e dos turistas de todo o mundo. A quinta edição do Portugal City Brand Ranking 2018, que hoje será revelado e a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso, conclui que a procura digital por temas relacionados com os municípios portugueses "não para de aumentar" e subiu quase 40% face ao ano anterior. São mais de 70 milhões de pesquisas realizadas nos motores de busca, com especial destaque para os tópicos relacionados com o turismo. Alojamento, restaurantes e atividades de lazer são as mais procuradas, mas nas referências com maior crescimento nas buscas destaca-se o surf, tópico que praticamente duplicou face ao ano anterior. Setor terciário, gastronomia, praia ou características da população são outras das questões que mais interesse e curiosidade suscitam.

Mais de um terço das pesquisas (37,4%) são referentes a municípios da região de Lisboa, seguindo-se o Norte, com 29,4%. Pela primeira vez, a região de Lisboa lidera o ranking do turismo, destronando o Algarve. O que se deve, destaca Filipe Roquette, diretor-geral da Bloom Consulting em Portugal, a "um aumento de 47% na procura relacionada com temas turísticos pelos municípios da região de Lisboa".

E o ranking por cidades continua a ser liderado por Lisboa. Aliás, o Portugal City Brand Ranking 2018 destaca que, apesar dos "excelentes resultados" obtidos por municípios como Porto, Cascais e Braga, "é a capital que continua a dominar todas as dimensões" do estudo. São três as vertentes analisadas: investimento, turismo e talento, que dão origem ao top Negócios, Visitar e Viver. E a cidade de Lisboa apresenta uma "performance exemplar" em todas as variáveis estatísticas e digitais. "Com o aumento progressivo do volume de pesquisas, Lisboa assume-se como uma das cidades europeias mais procuradas por investidores, turistas e talento nacional e internacional", pode ler-se no documento. O Porto mantém e reforça o segundo lugar das principais cidades nacionais para investir, visitar ou viver.

Mas há algumas surpresas, como a entrada de Ponta Delgada no top 25 nacional, permitindo que, pela primeira vez, as sete regiões do país estejam representadas nesta tabela. "Os Açores são a região que percentualmente mais cresceu", sublinha Filipe Roquette, que destaca, ainda, a subida de três posições de Vila Nova de Gaia, que ascende ao nono lugar. O concelho liderado por Eduardo Vítor Rodrigues foi premiado com duas Marca Estrela - designação dada a municípios que se destacam -, a nacional e a dos negócios. A cidade subiu dez posições no ranking do investimento e das exportações e está em sexto lugar.

No top 5, destaque para Cascais, que ultrapassa Coimbra na quarta posição, graças ao "bom desempenho na taxa de novas empresas criadas no município da linha". Também no ranking Visitar, Cascais subiu ao 4.º lugar, ultrapassando Albufeira in extremis: só uma centésima separa as duas cidades.

Quanto aos melhores municípios para viver, Braga suplanta Sintra e ascende ao quarto lugar. Cascais manteve-se em terceiro. O maior destaque aqui vai para Viseu e Oeiras, que subiram duas posições e regressam ao top 10.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.