Lisboa Capital Verde Europeia: "É uma bandeira da sustentabilidade para a cidade"

Fernando Medina agradeceu nesta quinta-feira em Nijmegen (Holanda) a confiança dada a Lisboa, que será a "Capital Verde Europeia" em 2020

Quando o comissário europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, anunciou nesta quinta-feira que Lisboa vai ser a "Capital Verde Europeia" em 2020, foi grande a festa da comitiva portuguesa na cidade holandesa de Nijmegen, entre abraços e comoção.

Fernando Medina subiu ao palco com a comitiva, em que se contava também José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde e Energia, e um dos maiores entusiastas da candidatura, e agradeceu "muito a confiança dada a Lisboa com este prémio, que é a passagem de uma bandeira para Lisboa, a bandeira da sustentabilidade". "Sabemos bem quais são as nossas responsabilidades. Vamos fazer tudo para manter esta bandeira da sustentabilidade", assegurou. Esta é a primeira vez que uma cidade do Sul da Europa vence o concurso.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), que segurava o troféu e um cheque de 350 mil euros, agradeceu ainda "a todas as instituições que colaboraram com a CML" nesta candidatura, prestando um "especial agradecimento ao primeiro-ministro António Costa" que, Medina fez questão de mencionar, "foi meu antecessor na câmara e que iniciou este processo". Esta, recorde-se, foi a terceira vez que Lisboa concorreu a "Capital Verde Europeia", a segunda consecutiva.

Fernando Medina dedicou ainda uma palavra para cidades europeias como Ghent (Bélgica) e Lahti (Finlândia), as outras cidades que tinham sido escolhidas para a decisão final nesta iniciativa dedicada a cidades com mais de 100 mil habitantes: "Não somos concorrentes, somos todos parceiros para fazer um futuro melhor."

Com Mariana Pereira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.