Lisboa Capital Verde Europeia: "É uma bandeira da sustentabilidade para a cidade"

Fernando Medina agradeceu nesta quinta-feira em Nijmegen (Holanda) a confiança dada a Lisboa, que será a "Capital Verde Europeia" em 2020

Quando o comissário europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, anunciou nesta quinta-feira que Lisboa vai ser a "Capital Verde Europeia" em 2020, foi grande a festa da comitiva portuguesa na cidade holandesa de Nijmegen, entre abraços e comoção.

Fernando Medina subiu ao palco com a comitiva, em que se contava também José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde e Energia, e um dos maiores entusiastas da candidatura, e agradeceu "muito a confiança dada a Lisboa com este prémio, que é a passagem de uma bandeira para Lisboa, a bandeira da sustentabilidade". "Sabemos bem quais são as nossas responsabilidades. Vamos fazer tudo para manter esta bandeira da sustentabilidade", assegurou. Esta é a primeira vez que uma cidade do Sul da Europa vence o concurso.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), que segurava o troféu e um cheque de 350 mil euros, agradeceu ainda "a todas as instituições que colaboraram com a CML" nesta candidatura, prestando um "especial agradecimento ao primeiro-ministro António Costa" que, Medina fez questão de mencionar, "foi meu antecessor na câmara e que iniciou este processo". Esta, recorde-se, foi a terceira vez que Lisboa concorreu a "Capital Verde Europeia", a segunda consecutiva.

Fernando Medina dedicou ainda uma palavra para cidades europeias como Ghent (Bélgica) e Lahti (Finlândia), as outras cidades que tinham sido escolhidas para a decisão final nesta iniciativa dedicada a cidades com mais de 100 mil habitantes: "Não somos concorrentes, somos todos parceiros para fazer um futuro melhor."

Com Mariana Pereira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.