Lisboa Capital Verde Europeia: "É uma bandeira da sustentabilidade para a cidade"

Fernando Medina agradeceu nesta quinta-feira em Nijmegen (Holanda) a confiança dada a Lisboa, que será a "Capital Verde Europeia" em 2020

Quando o comissário europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella, anunciou nesta quinta-feira que Lisboa vai ser a "Capital Verde Europeia" em 2020, foi grande a festa da comitiva portuguesa na cidade holandesa de Nijmegen, entre abraços e comoção.

Fernando Medina subiu ao palco com a comitiva, em que se contava também José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde e Energia, e um dos maiores entusiastas da candidatura, e agradeceu "muito a confiança dada a Lisboa com este prémio, que é a passagem de uma bandeira para Lisboa, a bandeira da sustentabilidade". "Sabemos bem quais são as nossas responsabilidades. Vamos fazer tudo para manter esta bandeira da sustentabilidade", assegurou. Esta é a primeira vez que uma cidade do Sul da Europa vence o concurso.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), que segurava o troféu e um cheque de 350 mil euros, agradeceu ainda "a todas as instituições que colaboraram com a CML" nesta candidatura, prestando um "especial agradecimento ao primeiro-ministro António Costa" que, Medina fez questão de mencionar, "foi meu antecessor na câmara e que iniciou este processo". Esta, recorde-se, foi a terceira vez que Lisboa concorreu a "Capital Verde Europeia", a segunda consecutiva.

Fernando Medina dedicou ainda uma palavra para cidades europeias como Ghent (Bélgica) e Lahti (Finlândia), as outras cidades que tinham sido escolhidas para a decisão final nesta iniciativa dedicada a cidades com mais de 100 mil habitantes: "Não somos concorrentes, somos todos parceiros para fazer um futuro melhor."

Com Mariana Pereira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.