Linha vermelha duplica passageiros com Rock in Rio

Mais de 85 mil pessoas saíram ou entraram na estação do metro da Bela Vista nos dias do Rock in Rio, duplicando o número de passageiros na linha vermelha. Veja quais são as estações abertas esta sexta e sábado.

A estação do Metropolitano de Lisboa (ML) da Bela Vista é a que serve diretamente o parque onde decorre o festival e que, domingo, esgotou a lotação para assistir, entre outros, ao espetáculo de Bruno Mars, com 85 mil entradas. É razão pelo qual o número de utentes duplicou na linha vermelha na última sexta-feira e sábado, dias em que o horário da rede foi alargado da 01:00 para as 03:00.

Contabilizaram naquela estação 39 mil e 500 entradas e 47 mil saídas no sábado e domingo, dias 23 e 24 de junho, "um aumento substancial comparativamente a um fim de semana normal e que envolve uma média de oito mil clientes", dizem os responsáveis do ML em comunicado. A nível da rede em geral, verificou-se uma subida na procura na ordem dos 35%.

O Metropolitano de Lisboa, no âmbito da parceria com a organização Rock in Rio, volta a alargar o horário de funcionamento até às 03:00. Vai reforçar a circulação com comboios de seis carruagens, operações que envolverão, diariamente, cerca de 50 agentes nas estações.

Mas atenção, são 40 as estações de metro que estão abertas depois das 01:00. Eis essas estações:

Linha azul: Reboleira, Pontinha, Colégio Militar, Laranjeiras, Jardim Zoológico, Praça Espanha, São Sebastião, Marquês de Pombal, Avenida, Restauradores, Baixa-Chiado, Terreiro do Paço, Sta. Apolónia

Linha amarela: Odivelas, Senhor Roubado, Lumiar, Campo Grande, Entre Campos, Campo Pequeno, Saldanha, Marquês de Pombal, Rato

Linha verde: Telheiras, Campo Grande, Alvalade, Areeiro, Alameda, Anjos, Martim Moniz, Baixa-Chiado, Cais do Sodré

Linha vermelha: Aeroporto, Encarnação, Moscavide, Oriente, Chelas, Bela Vista, Alameda, Saldanha, São Sebastião

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.