Linha de apoio para famílias dos militares no exterior

Recentes confrontos com militares destacados na República Centro-Africana justificam criação de um número telefónico específico.

O Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) vai criar uma linha de apoio telefónico para as famílias dos militares destacados em missão no estrangeiro, soube ontem o DN junto de fontes militares.

A medida, segundo uma das fontes, justificou a decisão com os acontecimentos recentes na República Centro-Africana (RCA) - em que os capacetes azuis portugueses foram atacados por grupos criminosos num bairro de Bangui - e com o facto de, por vezes, esses militares estarem longos períodos incontactáveis por exigências das operações.

O porta-voz do EMGFA confirmou a medida ao DN, mas indicou que ainda não há data para a sua implementação. Segundo o oficial, a decisão traduz o "sentido de responsabilização social" que as Forças Armadas têm de ter atualmente, em especial num tempo em que há dificuldades de recrutamento e retenção de efetivos nas fileiras.

Essa linha de contacto, que será um número fixo e não verde (gratuito), permitirá responder a dúvidas das famílias em situações onde não consigam falar com os militares no terreno - RCA, Iraque, Afeganistão ou Mali, por exemplo - por estarem em operações ou nos casos em que haja notícias de confrontos e haja incerteza sobre o ocorrido com a força portuguesa, explicou Coelho Dias.

Obter informações dos teatros de operações, estabelecer um contacto mais rápido em caso de necessidade ou ajudar as famílias com dificuldades de acesso às redes sociais ou que não tenham forma de as utilizar são outros objetivos equacionados, precisou ainda o porta-voz do EMGFA.

Haverá ainda uma outra finalidade dessa linha, de apoios aos cidadãos em geral - investigadores, por exemplo - que precisem ou procurem dados relativos à atividade do EMGFA, esclareceu Coelho Dias.

Diretiva organizacional

Outra novidade, sobre a qual Coelho Dias se escusou a falar, diz respeito à futura diretiva do chefe do Estado-Maior General (CEMGFA), almirante Silva Ribeiro.

Segundo fontes militares envolvidas no processo de elaboração do documento, este vai conter orientações nos domínios logístico, organizacional e operacional para os três anos de mandato do almirante Silva Ribeiro.

"Vai ser uma espécie de programa de governação" do CEMGFA, precisou uma das fontes, que estabelecerá os objetivos a alcançar nos próximos três anos pelo EMGFA - "o Estado-Maior de mais alto escalão nas Forças Armadas, o que nos obriga à pesada responsabilidade de guia e de exemplo da instituição militar", afirmou Silva Ribeiro no seu discurso de posse perante as Forças Armadas.

Nessa cerimónia, junto do monumento aos Combatentes, o almirante disse depois aos jornalistas que "o EMGFA necessita de ser reestruturado e redimensionado, porque quem precisa muito de efetivos são os ramos". Será assim a primeira vez que haverá, ao nível do Estado-Maior General, uma diretiva virada para a sua organização e que, admitiu uma das fontes envolvidas, vai "introduzir a gestão estratégica" para "melhorar a eficiência e eficácia" daquela estrutura de cúpula da instituição militar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.