Linha de 50 milhões para 100 IPSS em situação difícil

O secretário de Estado da Segurança Social anunciou a disponibilização já em março de uma linha de apoio de 50 milhões de euros para uma centena de Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) em situação difícil.

"Por alguns investimentos feitos nos últimos anos, em que tinham expectativas mais elevadas de comparticipações do Estado que depois não se verificaram, muitas IPSS estão em situação difícil", afirmou esta sexta-feira, em Viana do Castelo, Marco António Costa.

O governante acrescentou que o modelo de protocolo a realizar com estas instituições começou "esta semana" a ser elaborado, entre a tutela da Solidariedade e Segurança Social e os representantes das IPSS.

"Já temos as intuições bancárias a apresentarem propostas para obter as melhores condições para esta linha de crédito. Estamos a operacionalizar tudo para que durante o mês de março se possa avançar", garantiu ainda.

Este apoio servirá para a "viabilização financeira" das instituições "que se encontram em dificuldades", mas, garantiu Marco António Costa, não será para dar dinheiro.

"Terá subjacente um plano de recuperação e viabilização financeira das instituições. Ou seja, retirando as instituições da situação de dificuldade e resolvendo o problema de fundo, criando condições de estabilidade para o futuro", acrescentou.

Marco António Costa admitiu que cerca de uma centena de instituições sociais deverão recorrer a esta linha de apoio.

"Mas, repito, não será uma linha para despejar dinheiro em cima dos problemas e sim para planear e apoiar as instituições. Não numa lógica impositiva, fiscalizadora e tutelar, mas de parceria", rematou o governante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.