Limpeza da poluição no Tejo vai custar um milhão de euros

O ministro do Ambiente, João Pedro Fernandes, referiu que se trata de problemas ambientais graves.

A operação de limpeza dos sedimentos no Tejo precisa de mais um mês para reunir todos os meios necessários e terá um custo entre 1 milhão e 1,2 milhões de euros, avançou hoje o ministro do Ambiente.

A remoção dos 30 mil metros cúbicos de sedimentos no rio Tejo é um processo que "obriga a cuidados ambientais e demorará cerca de um mês" para ser possível reunir todos os equipamentos necessários, que não existiam nas entidades públicas, disse João Matos Fernandes.

O governante está a ser ouvido na comissão parlamentar do Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, a pedido do CDS e do BE, sobre a poluição no rio Tejo.

A 24 de janeiro uma quantidade de espuma apareceu no rio Tejo, perto de Abrantes, levando à recolha de mostras que detetaram uma presença de elementos de celulose elevados.

A existência de cerca de 30 mil metros cúbicos de sedimentos levou à emergente remoção dos mesmos. Processo que já foi iniciado, tendo sido já retirados 60 metros cúbicos.

O ministro explicou que estão a ser adquiridos vários equipamentos específicos para esta operação como mangas de aspiração com quilómetros de dimensão que "não havia".

Em resposta a questões dos deputados, nomeadamente de Heloísa Apolónia do Partido Ecologista os Verdes (PEV), acerca do investimento necessário para esta operação, o ministro avançou que está estimado entre um milhão e 1,2 milhões de euros.

A operação global de limpeza "tem uma estimativa entre um milhão de euros e 1,2 milhões de euros e será paga através do Fundo Ambiental", salientou João Matos Fernandes.

"É obrigação nossa e temos de o fazer depressa. Vamos pagá-la numa primeira fase", como foram pagas outras operações de remoção de resíduos, como S. Pedro da Cova o Cachão, defendeu.

O ministro do Ambiente referiu que se trata de problemas ambientais graves e o Governo não deixará de tentar resolver o assunto.

"Havendo culpa de alguém, não deixaremos de procurar ser ressarcidos", garantiu.

O governante salientou que a redução em 50% da capacidade de rejeição de efluentes da Celtejo só foi possível devido a "um conjunto de informação" para o fazer.

Questionado sobre os critérios para a revisão das licenças para as indústrias no Tejo, João Matos Fernandes explicou que "a qualidade da água é fundamental para definir o padrão, a partir do qual ele não pode piorar pela existência de uma indústria ou de uma qualquer outra utilização".

"Mas, com certeza que a licença que vai ser passada está mesmo indexada à capacidade de tratamento da Celtejo, isto é, à capacidade que a Celtejo tem de ter para garantir que a qualidade da água se não degrada", notou.

As novas licenças terão, no entanto, que levar em conta aspetos como a quantidade de oxigénio existente no meio recetor e nos efluentes, de forma a assegurar que as descargas se adequam às condições do rio.

O ministro admitiu que não existem dúvidas de que a poluição no Tejo foi provocada pela indústria da celulose, mas recusou que exista uma relação direta com a alteração da licença, com o aumento da capacidade de descarga pela Celtejo, e assumiu que não é "tempo" para substituir qualquer dirigente. Respondeu quando questionado por deputados do BE e do PAN sobre se mantém a confiança no presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (AP).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.