Ligação fluvial entre Barreiro e Lisboa vai parar na tarde de terça-feira

Plenário da Soflusa irá provocar perturbações no serviço. "Os trabalhadores vão analisar o resultado das greves que foram efetuadas e decidir o que será feito no futuro, explicou Carlos Costa.

As ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, vão parar na tarde de terça-feira devido a um plenário dos trabalhadores da Soflusa, anunciou hoje a empresa.

"Devido a plenário de trabalhadores da Soflusa, preveem-se algumas perturbações no serviço de transporte fluvial na ligação entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, entre as 14:00 e as 15:30", anunciou a empresa.

Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marina Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), confirmou à Lusa que os trabalhadores vão realizar um plenário com paralisação de atividade.

"Os trabalhadores vão analisar o resultado das greves que foram efetuadas e decidir o que será feito no futuro. Já existiu um início de conversa com a empresa e vamos fazer um ponto de situação com os trabalhadores", afirmou.

Em setembro, os trabalhadores da Soflusa realizaram cinco dias de greve parcial, que afetou as ligações, em especial nas horas de ponta da manhã e tarde, exigindo uma revisão da massa salarial.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.