Ligação fluvial entre Barreiro e Lisboa vai parar na tarde de terça-feira

Plenário da Soflusa irá provocar perturbações no serviço. "Os trabalhadores vão analisar o resultado das greves que foram efetuadas e decidir o que será feito no futuro, explicou Carlos Costa.

As ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, vão parar na tarde de terça-feira devido a um plenário dos trabalhadores da Soflusa, anunciou hoje a empresa.

"Devido a plenário de trabalhadores da Soflusa, preveem-se algumas perturbações no serviço de transporte fluvial na ligação entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, entre as 14:00 e as 15:30", anunciou a empresa.

Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marina Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), confirmou à Lusa que os trabalhadores vão realizar um plenário com paralisação de atividade.

"Os trabalhadores vão analisar o resultado das greves que foram efetuadas e decidir o que será feito no futuro. Já existiu um início de conversa com a empresa e vamos fazer um ponto de situação com os trabalhadores", afirmou.

Em setembro, os trabalhadores da Soflusa realizaram cinco dias de greve parcial, que afetou as ligações, em especial nas horas de ponta da manhã e tarde, exigindo uma revisão da massa salarial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.