PS tem de fazer "reflexão interna" sobre Sócrates e Pinho

Para a presidente do CDS é importante que o PS "faça a sua reflexão interna quando trata de escolher pessoas para exercer cargos de grande responsabilidade"

A líder do CDS considerou na quarta-feira à noite, em Oeiras, que o Partido Socialista tem de fazer a sua "reflexão interna" perante as suspeitas judiciais que envolvem os ex-governantes José Sócrates e Manuel Pinho.

"Foram um primeiro-ministro e um ministro socialista que naturalmente terão muitas contas a prestar ao país. Até agora nunca ouvimos o Partido Socialista dizer alguma coisa que fosse em relação a estes ex-governantes ou outros, a verdade é que foram todos do Partido Socialista e colegas de Governo do atual primeiro-ministro", afirmou Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP, que falava à margem da tomada de posse dos órgãos concelhios do partido, em Oeiras, questionada sobre os casos judiciais que envolvem os antigos primeiro-ministro José Sócrates e ministro Manuel Pinho, acrescentou que "o Partido Socialista tem a sua reflexão interna para fazer também".

"Nós vimos o texto do Bloco de Esquerda, pode haver alguma proposta de afinamento, mas genericamente parece-nos adequado e, portanto, votaremos favoravelmente", afirmou Assunção Cristas, em relação à proposta de constituição de uma comissão parlamentar de inquérito ao "pagamento de rendas excessivas aos produtores de eletricidade", que deverá abranger os governos entre 2004 e 2018.

"A existência de corrupção de responsáveis administrativos ou titulares de cargos políticos com influência ou poder na definição destas rendas" está também incluído no objeto da comissão de inquérito proposta pelo Bloco de Esquerda.

O BE pretende que a comissão de inquérito se debruce sobre "o pagamento de rendas e subsídios aos produtores de eletricidade, sob a forma de Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) ou outras".

"O CDS tem por hábito avaliar o mérito das propostas e não os autores dessas propostas e, portanto, entendemos que devem ser prestados esclarecimentos no parlamento sobre a matéria que está prevista na comissão de inquérito e, naturalmente, também todos os esclarecimentos pelo então ministro Manuel Pinho", frisou Assunção Cristas.

É importante que a justiça funcione e é importante, certamente, que o PS, partido de onde provêm estes governantes faça a sua reflexão interna quando trata de escolher pessoas para exercer cargos de grande responsabilidade

A antiga governante, questionada sobre se também as suspeitas que envolvem José Sócrates deviam ser objeto de audição parlamentar, duvidou da eficácia da medida, por se tratar de "processo judicial muitíssimo complexo", notando que o parlamento trata da "esfera política" das questões, cabendo à justiça a "esfera criminal".

"É importante que a justiça funcione e é importante, certamente, que o Partido Socialista, partido de onde provêm estes governantes faça a sua reflexão interna quando trata de escolher pessoas para exercer cargos de grande responsabilidade", vincou a presidente do CDS.

"O Partido Socialista sente-se, como todos os partidos, a confirmar-se o que é dito, envergonhado", disse na quarta-feira Carlos César à rádio TSF, no programa "Almoços Grátis".

O líder parlamentar do PS respondia a questões sobre as suspeitas relativas a Manuel Pinho, segundo as quais o ex-ministro do Governo socialista de José Sócrates terá recebido de uma empresa do Grupo Espírito Santo (GES), entre 2006 e 2012, mais de um milhão de euros.

Questionado sobre se, a confirmarem-se as suspeitas que recaem sobre José Sócrates, acusado de vários crimes económico-financeiros, nomeadamente corrupção e branqueamento de capitais, a vergonha é a mesma, Carlos César disse que "até é maior" porque se trata de um ex-primeiro-ministro.

"Ficamos entristecidos e até enraivecidos com isto, de pessoas que se aproveitam dos partidos políticos e, designadamente do nosso, do Partido Socialista, utilizam ou tenham comportamentos desta dimensão e desta natureza, evidentemente que ficamos revoltados com tudo isso", salientou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)