Líder da oposição grega para Passos: "Vamos ser primeiros-ministros"

Kyriacos Mitsotakis diz que só uma alternativa de centro-direita pode ajudar a combater o populismo de esquerda, ao qual cola Costa e Tsipras

O líder da oposição grega classificou esta noite o governo de António Costa de "populista", alinhando nas declarações de alguns notáveis sociais-democratas nas últimas semanas, como Paulo Rangel e Miguel Poiares Maduro. Durante um jantar-conferência na Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide, Kyriacos Mitsotakis considerou que é "absolutamente fundamental que os partidos de centro-direita [como o PSD e a Nova Democracia] apresentem uma alternativa política que mobilize as pessoas no sentido de rejeitaram os populismos e os nacionalismo como solução."

Kyriacos Mitsotakis alerta que "o populismo não é apenas de direita, também é de esquerda, que é o que existe na Grécia e em Portugal", numa alusão aos governos de António Costa e de Alexis Tsipras. Para o presidente da Nova Democracia, da família política do PSD, "o que acontecer à Grécia e o que acontecer politicamente em Portugal será muito relevante para o resto da Europa", uma vez que acredita que tanto ele como Passos Coelho estão "habilitados a combater o populismo, com razão e seriedade".

O líder da oposição grega mostrou grande cumplicidade com o presidente do PSD e chegou mesmo a dizer: "Acredito vamos ser os dois primeiros-ministros ao mesmo tempo". O PSD está, aliás, a participar no programa de governo da Nova Democracia (que lidera as sondagens na Grécia) e a ex-ministra das Finanças e vice-presidente do PSD, Maria Luís Albuquerque, vai mesmo deslocar-se a Atenas para colaborar com o partido grego.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.