Líder da oposição grega aprende com Passos como governar com austeridade

Grécia e Portugal estão novamente colados por culpa da geringonça. Ex-ministro do PSD vai colaborar em programa eleitoral de partido que lidera sondagens helénicas

Afinal Portugal voltou a estar como a Grécia, ao mesmo tempo que a Grécia quer ser Portugal. O líder do PSD tem hoje à tarde um encontro bilateral com o líder da oposição grega, antes deste dar uma conferência na Universidade de Verão do PSD. Em Castelo de Vide, Passos Coelho e Kyriacos Mitsotakis vão afinar estratégias que contribuam para resgatar da esquerda os governos dos respetivos países. O grego vê a governação de Passos como um exemplo a seguir.

Fonte social-democrata adiantou ao DN que a reunião entre Passos e Mitsotakis vai servir precisamente para discutirem a estratégia dos dois partidos (o PSD e a Nova Democracia, ambos da família PPE) na Europa, mas também para trocarem experiências. O grego vai ser "professor" na universidade de jovens, mas quer ser aluno de Passos no que à governação diz respeito. Prova disso é que a mesma fonte adiantou a DN que em breve irá a Atenas um governante do anterior executivo de Passos Coelho colaborar com o programa eleitoral da Nova Democracia. O partido liderado por Mitsotakis lidera neste momento as sondagens na Grécia, sendo apontado como futuro primeiro-ministro do país.

Muito do combate político na Europa faz-se hoje através das famílias políticas. A pacata vila alentejana de Castelo de Vide está a ser o centro de tudo isso nestes dias. Se hoje os líderes da oposição de Grécia e Portugal se encontram, ontem os eurodeputados Paulo Rangel (do PPE e do PSD) e Marisa Matias (do BE e da esquerda unitária) estiveram separados por quatro horas, dez metros e muita ideologia.

Rangel começou, curiosamente, a dizer que devido à governação da "geringonça" estamos "cada vez mais colados à Grécia" E depois - antecipando o encontro de hoje de Passos com Mitsotakis - considerou que "é muito importante aqui o líder da oposição grega para dizer que na Grécia também há quem denuncie a forma como a esquerda radical está a conduzir algumas políticas".

Sobre este encontro, Rangel disse ainda que o considera "essencialmente um sinal contra o populismo e a demonstração de que a Grécia, até o Syriza aparecer, estava a fazer um caminho que podia ter beneficiado muito Portugal." Para Rangel "esse caminho foi interrompido. É certo que agora o Syriza até está a fazer algumas concessões, mas aqueles seis meses de Varoufakis foram suficientes para destruir o trabalho de quatro ou cinco anos."

Ideia diferente tem, claro, Marisa Matias. A bloquista também foi falar sobre a Europa a Castelo de Vide, ao Convento de São Francisco - que fica precisamente do outro lado da rua onde decorre a Universidade de Verão (UV) do PSD. O reitor e eurodeputado do PSD Carlos Coelho fez questão de atravessar a estrada para cumprimentar a amiga. Marisa até brincou com a situação: "Não é uma provocação. Marcámos há muitos meses. A haver provocação seria do PSD". E depois sorriu, pois é público que o PSD faz há 13 anos a formação de jovens naquela vila.

Menos amistoso foi o comentário ao encontro Passo-Mitsotakis. Marisa demarca-se da governação do seu amigo Alexis Tsipras, mas critica a Nova Democracia. A bloquista diz que "infelizmente, o que se está a passar na Grécia é um programa que é muito doloroso ainda para a população grega e continua a ter uma dose ainda enorme de austeridade." Porém, diz que "se há responsáveis pela situação a que o país chegou, seguramente que a Nova Democracia está à cabeça".

Marisa considera ser "perfeitamente natural que as famílias políticas dos diferentes países se articulem, que definam agendas comuns e se juntem em iniciativas desta natureza", mas diz não acreditar "sinceramente, que a Nova Democracia seja uma solução para a Grécia".

Mesmo sem se cruzarem, houve um despique ideológico Rangel-Marisa em Castelo de Vide. A começar na notícia do dia: a proposta de António Costa contra o Terrorismo, em que o primeiro-ministro vai levar à cimeira dos líderes do sul, em Atenas (onde não irá o espanhol Mariano Rajoy), a ideia de regenerar as periferias.

Rangel foi duro e comentou que "se é esta a prioridade de Costa, estamos conversados sobre a sua visão para Europa. Porque o problema das periferias e do terrorismo põe-se essencialmente em países como a França, a Bélgica ou o Reino Unido". Rangel diz mesmo que a proposta de Costa "é uma coisa manifestamente pífia para alguém que pretende ter um papel e uma voz na Europa (...) uma proposta típica de um presidente de câmara, não de um primeiro-ministro." Já Marisa Matias aplaude a proposta ao defender que "o combate à pobreza e à exclusão social será sempre uma boa medida para também evitar que surjam movimentos e fenómenos destes."

Paulo Rangel foi, até agora, o orador da UV que mais atacou Costa e foi até várias vezes aplaudido pelos jovens, quase ao jeito de intervenção num comício. Rangel começou por dizer que António Costa é "o David Cameron português porque também foi um político que renegou os seus princípios para salvar a sua pele". E não deixou também passar a falência do PS, noticiada ontem, questionando: "Se o PS não se governa a si mesmo, como há-de governar o país?" Os jovens deliraram.

Depois, claro, colou Portugal à Grécia denunciando uma "perda profunda de credibilidade" externa do país. Horas mais tarde, Marisa contra-atacou dizendo que "se as metas que o dr. Paulo Rangel defendeu estão finalmente a ser cumpridas, se começa a haver mais emprego, se as pessoas estão a viver melhor, eu penso que isso não se trata, de maneira nenhuma, de uma leitura séria da realidade." Para Marisa trata-se apenas de "um desejo do dr. Paulo Rangel".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.