Lei de Bases obriga políticos a escolher o SNS que querem

Numa altura em que o Parlamento se prepara para discutir e votar uma nova Lei de Bases da Saúde, o ex-diretor-geral da Saúde diz ser urgente aproveitar o que ainda falta desta legislatura para se chegar melhor a 2020-21

Há uma proposta de lei de bases da Saúde que vai a discussão no parlamento a 22 de junho. É uma lei que assusta os políticos?

É uma questão essencialmente política. Quando na segunda metade do ano passado António Arnaut e João Semedo anunciaram que estavam a preparar uma proposta de lei de bases da Saúde foi uma pedrada no charco. Há quase 30 anos que não ouvíamos falar disso. E as respostas foram várias. Primeiro: não é preciso; segundo: a que está, está muito bem, obrigado; terceiro: talvez valha a pena pensar outra vez nisto, quase 30 anos depois. Há quem tenha pensado, "isto já lhes passa". Quando em janeiro é apresentado o livro "Salvar o SNS", a primeira coisa que se tornou evidente foi que os seus autores não são "quaisquer pessoas": estamos a falar de cidadãos exemplares com um nível de integridade intelectual, moral e cívica superior. E temos que nos interrogar porque razão a uma proposta sobre uma nova Lei de Bases deram o nome "Salvar o SNS". Deve querer dizer alguma coisa. Não é por acaso, não é inocente.

Então...

Tem uma razão muito clara, incómoda, mas clara. Porque há de facto duas conceções sobre o sistema de saúde português e os políticos vão ter de escolher. A primeira conceção parte do princípio de que o SNS resulta de uma política pública maior e que o Estado vai pôr todos os seus recursos e inteligência para que seja o melhor possível. Logo, uma consequência imediata é a de que o financiamento da saúde primeiramente tem de fazer isso. Tem de assegurar que temos o melhor SNS possível. E só depois, secundariamente, o Estado financiará o setor social e o privado, e na medida em que, para além do seu território e recursos próprios, eles podem trazer ao sistema de saúde contribuições que acrescem naquilo que o SNS faz. Nada mais útil e claro.

Mas há quem considere que a proposta de Arnaut e Semedo vai contra o setor privado...

Não é verdade. Não há nenhuma pessoa que conheça um pouco do mundo onde vivemos que não perceba que todos os sistemas de saúde pelo mundo fora têm um setor público, social e privado. Mas há de facto, em alguns setores da sociedade portuguesa, uma conceção alternativa àquela que enunciei. Pode resumir-se da seguinte forma: o SNS e o setor privado situam-se ao mesmo nível, estão nas mesmas circunstâncias e enquanto competidores concorrendo ao financiamento público. É como se não houvesse uma política pública maior, até de base constitucional, que deve assegurar o desenvolvimento de um SNS de qualidade, mas que o destino deste, deve jogar-se num hipotético "mercado aberto". E agora imagine o que é ser servido por um hospital moribundo às mãos desse "mercado aberto". Perdem-se clientes, dinheiro, qualidade e vai-se fechando progressivamente. Tal não pode ter outra consequência que não seja degradar progressivamente o SNS, empobrecendo-o, reduzindo-o até cobrir só aquelas áreas que não interessam ao setor privado lucrativo e ao social. Fazer escolhas em serviços de saúde, no âmbito de um contrato social baseado na ideia de que cada um contribui à medida das suas possibilidades para receber à medida das suas necessidades, não tem nada ver com lógica da escola individual das mobílias que gostamos ou de restaurante que nos apetece.

Tem que ver com escolhas...

Sim, e muito complexas. Como é que os privados concorrem no mercado? Concorrem especializando o produto, só vendem o que têm vantagem em vender, segmentando o mercado, servindo aquelas pessoas que são mais fáceis e convenientes, fazendo marca do seu produto através de um marketing apropriado. Não seguem segmentos de mercado que são inconvenientes, não oferecem produtos que não oferecem margem suficiente e tentam convencer as pessoas de que são as melhores do mundo. E é assim que tem de ser. O SNS tem outra missão. Está aberto todos os dias, todas as horas, em todo o país, para todas as pessoas, para os problemas de saúde. A missão do SNS é produzir bem-estar para todos. O SNS deve ser mais sensível às preferências dos seus utilizadores, como aliás já começou a acontecer. Mas a experiência mostra que isso exige uma gestão de recurso muito ágil para que o exercício da escolha resulte num SNS mais virtuoso. Não queria deixar de me referir a um detalhe interessante neste debate sobre o SNS e o sistema de saúde. Refiro-me à utilização da expressão "Sistema Nacional de Saúde", e da utilização da sigla SNS para falar tanto do "sistema como do Serviço Nacional de Saúde. Mas a verdade é que não existe nada que esse possa chamar "sistema nacional". É uma noção não existente, em parte nenhuma. O que há é um Serviço Nacional de Saúde e um sistema de saúde. Mas então porque utilizar esta expressão? Em parte por ignorância. Até pessoas do próprio Serviço Nacional de Saúde dizem que trabalham no "sistema nacional de saúde". É uma confusão não inocente entre o Serviço Nacional e o "sistema nacional": O "sistema nacional" é afinal o "mercado aberto". É preciso esclarecer definitivamente estas questões.

Como está não pode continuar?

Uma das virtualidades da discussão da lei de bases é obrigar os agentes políticos e os cidadãos em geral, por consequência, a tomar posição perante as duas conceções acima enunciadas.

E o timing é agora?

Eu insisto. Precisamos de transformar o SNS e isso só pode ser efetivamente lançado no princípio de uma legislatura, em 2020-21. Não devemos chegar a esta altura ainda a discutir uma lei de bases. Nessa altura são precisas decisões e mudanças estruturais. É uma discussão difícil e o tempo é escasso para definir objetivos com mais precisão e decidir exatamente como se faz. Tudo depende de uma boa preparação para lançar a transformação do SNS na próxima legislatura.

A Lei de Bases tem outro desafio além deste?

Tem muitos outros, como por exemplo o que tem que ver com a estratégia orçamental do país e a saúde. Quando trabalhava na OMS/Europa e era responsável pelo Departamento de Políticas e Serviços de Saúde, caiu o Muro de Berlim e todos os países do Leste de repente começaram a quer todos transformar-se numa Alemanha. Neste contexto, trabalhei com os ministérios da Saúde de vários países. Um deles foi a Polónia, onde o vice-ministro me pediu para o acompanhar a uma vista ao ministro das Finanças. Tivemos uma longa discussão sobre a abordagem a adotar. Lembro-me de lhe dizer que a pior coisa que poderia fazer era ir ao ministro das Finanças pedir dinheiro. Ele sabe essa canção de cor e salteada, sabe a resposta que lhe vai dar. O que lhe vamos perguntar é: qual é a sua estratégia orçamental. E correu bem. O ministro entusiasmou-se, passou da postura lá vem este pedir dinheiro e explicou a sua estratégia orçamental. E até nos disse uma coisa que nunca mais esqueci: "Essa coisa de orçamentos anuais é uma balela." O orçamento que aprovamos muda no dia seguinte, porque o contexto também muda e o que fazemos é ajustar o orçamento a esse contexto. Os objetivos orçamentais, adaptados ao contexto, produzem o orçamento real de cada dia, e isso é que é importante. Não saímos de lá com uma pipa de massa, mas com boas relações de trabalho para o futuro. Temos de ser capazes de introduzir os objetivos de bem-estar, saúde e SNS na estratégia orçamental do país. Mas há muito mais, como por exemplo a articulação com o serviço social, das políticas à articulação local, absolutamente indispensável. Aqui, estamos um pouco na Pré-História. Vou dar-lhe um exemplo finlandês. Há uns anos, o governo desse país fez uma articulação entre o orçamento das baixas e o da reabilitação física. As pessoas que estão muito tempo de baixa é porque não têm reabilitação física necessária. E eles diminuíram o orçamento das baixas e aumentaram o da reabilitação. Começaram a ter menos baixas e melhor reabilitação física. Bom para todos.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.