Equipamentos nas redondezas do Hospital Francisco Xavier sem legionella

Equipamentos foram analisados e nenhum tem a bactéria que causou o surto em novembro do ano passado, de acordo com relatório do Instituto Ricardo Jorge entregue ao Ministério Público

Nenhum dos sete equipamentos nas redondezas do Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, analisados à presença da 'legionella', registou a bactéria que causou um surto em novembro do ano passado, segundo o presidente do Instituto Nacional Ricardo Jorge.

Esta é uma das conclusões que consta do relatório definitivo sobre este surto que causou seis mortos e dezenas de infetados, o qual foi recentemente entregue ao Ministério Público.

Sem querer revelar o seu conteúdo, para o qual o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) teve "um papel fundamental", Fernando Alves disse apenas que as conclusões sobre a origem do foco não diferem das que constam no relatório preliminar.

Nesse documento, é possível apurar que as bactérias nas secreções dos doentes são da mesma estirpe das encontradas na água de pelo menos uma das torres de arrefecimento do Hospital São Francisco Xavier.

Em relação aos sete equipamentos nas redondezas do Hospital São Francisco Xavier potencialmente produtores de aerossóis e por isso analisados à presença de 'legionella', Fernando Almeida revelou que esta não foi encontrada.

Segundo Fernando Almeida, este surto -- tal como costuma acontecer em situações de saúde pública -- levou a um aumento dos pedidos de análises.

Relativamente ao Programa de Intervenção Operacional de Prevenção Ambiental da Legionella, anunciado pela tutela aquando deste surto, o presidente do INSA referiu que o grupo entretanto criado está a trabalhar, tendo marcada uma reunião para o próximo dia 16.

Sobre a caracterização do risco de todos os hospitais para a bactéria, efetuada pelas autoridades durante o surto, os resultados estão ainda a ser avaliados.

"O que vamos fazer é, além do autocontrolo que as instituições têm de fazer das suas estruturas, um processo de vigilância, ou seja, ver se de facto os resultados estão de acordo com o normal e o esperado", acrescentou.

Fernando Almeida partilhou a coincidência do surto de 'legionella' em Vila Franca de Xira ter ocorrido a 07 de novembro de 2014, no dia em que se assinalava o aniversário do INSA, e que foi registado no São Francisco Xavier ter acontecido no mesmo dia.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.