Teresa Leal Coelho diz que prioridade é melhorar funcionamento do metro

Considera que a expansão da rede é também necessária, se feita com sustentabilidade

A candidata do PSD à Câmara Municipal de Lisboa, Teresa Leal Coelho, defendeu esta quarta-feira que a prioridade para o metro deve ser pô-lo "a funcionar em melhores condições", embora considere a expansão da rede necessária, desde que com sustentabilidade.

Questionada pelos jornalistas no parlamento, a também vice-presidente social-democrata escusou-se a comentar propostas "em concreto", quer a do Governo, quer a feita hoje pela sua adversária na corrida autárquica, a líder do CDS-PP, Assunção Cristas (que não ouviu), mas aceitou pronunciar-se sobre a rede do metro de Lisboa.

"É evidente que tem de haver alargamento, é bom para a cidade e é necessário que se alargue a rede de metro, mas, neste momento, estamos numa circunstância em que o serviço prestado pelo metro perdeu muita qualidade", afirmou, referindo a diminuição das carruagens e o aumento do tempo de espera como os principais problemas.

Teresa Leal Coelho apontou ainda o alargamento do horário do metropolitano - que termina "demasiado cedo" - como outra proposta a ponderar.

"Parece-me que essa é a prioridade: vamos pegar no metro que temos e pô-lo a funcionar em melhores condições, mais carruagens - devolver as que o metro já teve -, menos tempo de espaçamento entre cada composição", apontou.

No entanto, a candidata autárquica salientou que a expansão da rede do metro "é necessária" e sempre foi defendida pelo PSD, mas "é necessário realismo na questão financeira".

"É uma proposta que o PSD vai analisar para, com sustentabilidade, apresentar para a próxima vereação, não quer dizer que seja de imediato porque temos problemas financeiros", afirmou.

Hoje, no debate quinzenal, a presidente do CDS-PP apresentou ao primeiro-ministro, António Costa, a proposta do partido para a expansão da rede do metropolitano de Lisboa, que prevê 20 novas estações.

Na resposta, o primeiro-ministro aludiu ao facto de Assunção Cristas ser candidata à presidência da Câmara de Lisboa nas autárquicas de outubro.

"Não achei muito leal aproveitar a ausência da deputada Teresa Leal Coelho [candidata do PSD à Câmara de Lisboa] para este momento de campanha eleitoral", disse Costa.

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa, o Metropolitano de Lisboa vai ter mais duas estações até 2022 - Estrela e Santos - , com o custo estimado de 216 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários e a empréstimo no BEI - Banco Europeu de Investimento.

Estão também previstas estações de metro nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

Do plano consta também o encerramento da estação de Arroios a 19 de julho - e durante 18 meses - para obras que vão permitir o funcionamento de comboios com seis carruagens na Linha Verde e custarão mais de sete milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.