Lava-Jato. Ministra reavalia extradição de luso-brasileiro

O IRN, tutelado pelo Ministério da Justiça, confirmou a nacionalidade portuguesa originária ao acusado Raul Schmidt

A ministra da Justiça está a a reavaliar a sua decisão de extradição do luso-brasileiro Raul Schmidt, acusado na operação brasileira Lava-Jato. Em causa está um requerimento da defesa que conta com um despacho do Instituto de Registos e Notariado (IRN), organismo tutelado pela própria Francisca Van Dunem, datado de 9 de janeiro último, no qual reconhece a Schmidt, que nasceu e viveu no Brasil, a nacionalidade portuguesa originária, por ser neto de português, conforme previsto na lei.

Com este averbamento, a lei em vigor impede que Schmidt, perseguido pela justiça brasileira indiciado pelos crimes de corrupção e branqueamento de capitais e organização criminosa seja extraditado para o Brasil, obrigando a realizar o seu julgamento nos tribunais portugueses. "O requerimento recebido, por via eletrónica, no dia 10 de janeiro, às 18.36, dirigido à senhora ministra, dada a complexidade técnica do assunto, designadamente por força das decisões jurisdicionais já proferidas e pendentes de decisão, está a ser objeto da adequada e necessária ponderação", confirmou ao DN o gabinete da governante.

Em abril de 2016, Francisca Van Dunem tinha considerado "admissível" a extradição de Raul Schmidt, que nessa altura ainda não tinha oficializado a sua naturalidade originária, mas já tinha a nacionalidade portuguesa, além da brasileira. De seguida o Tribunal de Relação (entidade responsável por estes processos) validou o pedido das autoridades brasileiras. Igual posição teve o Supremo Tribunal de Justiça.
Entretanto, a defesa que alegava a ilegalidade do despacho de Van Dunem, afirmando que Raul Schmidt só não tinha ainda obtido a nacionalidade originária porque a regulamentação da lei, da responsabilidade do Ministério da Justiça, demorou dois anos a ser concluída, recorreu para todas as instâncias, até ao Tribunal Constitucional, com a sua tese reforçada pelos pareceres de três dos mais importantes constitucionalistas do nosso país.

Gomes Canotilho, Paulo Otero e Rui Moura Ramos arrasaram a decisão da ministra da Justiça e apresentaram todas as razões legais a fundamentar porque Raul Schmidt não pode ser extraditado. Confrontado na altura pelo DN com estes pareceres, o gabinete de Francisca Van Dunem remeteu para os "tribunais" todas as "questões relativas à extradição, designadamente as relativas à inconstitucionalidade de quaisquer normas jurídicas".

Com este "novo facto", a decisão do IRN, a defesa do acusado enviou, no início da semana, requerimentos a quatro entidades para que a extradição fosse anulada: ao Tribunal da Relação, para que indefira o pedido do Brasil, ao Tribunal Constitucional, onde estão pendentes os recursos, à ministra da Justiça, para que revogue o seu despacho, e à procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, para que emita pareceres sobre os requerimentos anteriores.

"Esperamos que depois deste reconhecimento do IRN, um serviço tutelado pelo próprio Ministério da Justiça, a senhora ministra corrija os erros que cometeu", assevera o advogado Pedro Delille. O responsável pela defesa de Schmidt considera que foram cometidos "erros graves" pela titular da pasta. Um deles, também salientado pelos constitucionalistas, foi admitir a extradição quando a regulamentação da lei, que reconhece a nacionalidade originária a Raul Schmidt, só não estava em vigor por atraso dos seus serviços. "A decisão da ministra da Justiça é neste caso soberana. Se entender que a extradição não é admissível, os tribunais não a podem alterar. Com o despacho do IRN, é um dever da senhora ministra", conclui. V.M.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.