"Lajes são uma das três bases que EUA nunca abandonarão"

Os 240 anos de história luso-americana vistos à lupa por Tiago Moreira de Sá num novo livro. Uma relação que, afinal, não se resume à base nos Açores

Portugal reconheceu a independência dos Estados Unidos em fevereiro de 1783, sendo com a França e a Holanda um dos três países que deram esse passo antes de, em setembro do mesmo ano, o Tratado de Paris pôr fim à guerra entre as 13 colónias e a Inglaterra. Só este episódio, um dos muitos contados por Tiago Moreira de Sá em História das Relações Portugal-EUA (1776-2015), ajuda a explicar a força dos laços entre os dois países, que a geografia garante que persistirão apesar da conjuntura de desinvestimento americano na Europa, em Portugal por arrasto e nos Açores em particular.

"O reconhecimento da independência dos Estados Unidos tem de ser visto no quadro das mudanças que estavam a dar-se em Portugal depois da morte de D. José. O governo de D. Maria I queria mostrar maior flexibilidade em relação à Inglaterra, o velho aliado", explica Moreira de Sá ao DN. O historiador sublinha, porém, que foi uma ousadia relativa, pois o reconhecimento deu-se quando as vitórias militares de George Washington tornavam já inevitável a independência e a própria coroa inglesa se preparava para negociar. O historiador não conseguiu, porém, encontrar um documento que mostre que houve algum acordo prévio dos ingleses.

Com mais de 600 páginas, e realizado no âmbito de um projeto de investigação da Universidade Nova de Lisboa financiado pela FLAD, o livro é o primeiro a abordar toda a história diplomática luso-americana. O embaixador José Calvet de Magalhães escreveu também uma História das Relações Diplomáticas entre Portugal e os Estados Unidos da América, mas só até à implantação da República. De resto, a abundante bibliografia sobre os dois países foca épocas específicas, como os livros do historiador Luís Nuno Rodrigues sobre Estados Unidos e Açores na década de 1940 ou a relação entre Kennedy e Salazar. O próprio Moreira de Sá, doutorado em História das Relações Internacionais pelo ISCTE-IUL, tem obra publicada sobre o pós-25 de Abril, caso de Carlucci vs. Kissinger. Os EUA e a Revolução Portuguesa e Os Americanos na Revolução Portuguesa.

O valor estratégico dos Açores

Nesta longa história é interessante a forma como Lisboa quase não reage ao reconhecimento do Brasil pelos Estados Unidos, que aconteceu em 1824 no seguimento do discurso de James Monroe que definiu a doutrina pan-americanista que leva o seu nome. Outro momento importante é a fundação da NATO. Segundo o historiador, apesar de Portugal ser uma ditadura , "não houve vozes significativas na América a contestar a entrada do país na NATO. Vivia-se já a sovietofobia que se intensificaria nos anos 1950. A prioridade era uma aliança que contrariasse o expansionismo de Moscovo". Nota ainda o académico que, durante a Segunda Guerra Mundial, a atitude de Portugal também foi mais favorável aos Aliados do que a de Espanha, com a instalação dos britânicos nas Lajes, depois substituídos pelos americanos.

Ora, é a importância estratégica das Lajes que vai a partir daí impor-se nas relações luso-americanas. Mesmo Kennedy, de início hostil a Portugal e favorável aos movimentos anticoloniais, vai retroceder quando a Crise dos Mísseis de Cuba leva a Guerra Fria ao apogeu. A base açoriana é então essencial para a projeção de poder dos Estados Unidos. E também no pós-25 de Abril, quando em Washington alguns dão Portugal como perdido para o campo soviético, as Lajes motivam contactos com separatistas açorianos.

Moreira de Sá fala de "crise séria" hoje na relação entre Portugal e os Estados Unidos, pois os americanos olham mais para a Ásia do que para a Europa. Mas o historiador confessa ao DN uma certeza: "As Lajes, no meio do Atlântico, são uma das três bases que os Estados Unidos nunca abandonarão, tal como Diego Garcia, no Índico, e Guam, no Pacífico."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.