LNEC inicia novo estudo sobre contaminação nas Lajes

Análise vai incidir sobre 33 locais e resultam de um cruzamento de informação já conhecida de outros relatórios e de novas suspeitas levantadas junto da opinião pública

O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) inicia hoje um novo estudo sobre a contaminação de solos e aquíferos na ilha Terceira, em conjunto com o laboratório homólogo dos Açores, revelou o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

"Hoje venho simbolicamente testemunhar o início dos trabalhos que vão ser levados a cabo pelo LNEC e pelo LREC [Laboratório Regional de Engenharia Civil], justamente para aprofundar alegações sobre eventuais sítios ou eventuais situações em que possa ou não existir contaminação", adiantou o ministro.

Azeredo Lopes falava, em declarações aos jornalistas, à margem da inauguração de um miradouro na Praia da Vitória, na ilha terceira, num terreno cedido pela Ministério da Defesa.

Segundo o ministro da Defesa Nacional, o novo estudo irá analisar 33 locais, que resultam de um cruzamento de informação já conhecida de outros relatórios e de novas suspeitas levantadas junto da opinião pública.

"Como é crucial que não fiquem dúvidas sobre esse tipo de imputações, é importante que uma entidade -- que a meu ver é mais do que credível e tem demonstrado a sua competência ao longo deste processo ambiental na ilha Terceira -- tenha a legitimação, o mandato e a incumbência de levar a cabo mais estudos para confirmar ou não confirmar as preocupações", salientou.

Em causa está a contaminação de solos e aquíferos provocada pela Força Aérea norte-americana na base das Lajes, identificada em 2005 pelos próprios norte-americanos e confirmada, em 2009, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil, que monitoriza desde 2012 o processo de descontaminação.

Azeredo Lopes sublinhou a necessidade de "transmitir uma ideia de segurança" à população da ilha Terceira, acrescentando que o novo estudo estava previsto há vários meses, mas só foi possível contratualizá-lo em abril.

"O Governo assumiu desde o início a incumbência de enfrentar esta questão, de a negociar com os Estados Unidos e de evidentemente ouvir os cidadãos sempre que esses problemas fossem suscitados", apontou.

No discurso de inauguração do novo miradouro, o presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, Tibério Dinis, reiterou que a autarquia vai "continuar a reivindicar firmemente a descontaminação total da pegada ambiental resultante da presença militar norte-americana".

Ainda assim, o autarca realçou que, na última reunião da Comissão Bilateral Permanente entre Portugal e os Estados Unidos da América, "foram apresentados dados que espelham uma ação mais célere e efetiva do que a concretizada até então".

"Recebemos informação de que, além da intervenção em dois locais, outros oito locais estão a ser ou serão alvo de uma ação de descontaminação. Além disso, recebemos também indicação de se ter registado uma melhoria dos resultados nas intervenções realizadas na Porta de Armas e no South Tank Farm", afirmou, defendendo que se deu, "sem dúvida, um passo decisivo".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.