Kastelo constrói parque aquático para crianças com necessidades especiais

Diretora da única unidade de cuidados continuados e paliativos pediátricos do país diz que será o primeiro parque adaptado da Europa e o segundo a nível mundial. Deverá estar em funcionamento no verão

"É a realização de mais um sonho para as crianças com necessidades educativas especiais". Teresa Fraga, diretora do Kastelo, marcou para o dia 2 de junho, às 11.00, o lançamento da primeira pedra do parque aquático adaptado a crianças com mobilidade física muito reduzida que irá nascer naquela unidade. O objetivo, explica, é melhorar a qualidade de vida de crianças que dependem de cuidados paliativos pediátricos. "Queremos que sejam felizes", sublinha.

A primeira e única unidade de cuidados continuados pediátricos do País, que nasceu por iniciativa da associação "NoMeioDoNada", decidiu criar um parque aquático para as crianças apoiadas pelo Kastelo e para todas as que por ali passaram. "Existem parques, mas as crianças com necessidades especiais nunca estão incluídas. E a inclusão começa com as pequenas coisas, como o lazer", diz ao DN Teresa Fraga, lembrando que uma criança com paralisia cerebral, por exemplo, tem muita dificuldade em usar um parque aquático normal.

A construção do parque lúdico com aparelhos adequados só será possível graças à Campanha "70 Mecenas no Kastelo", um jantar de mecenas, onde foi possível reunir pessoas, empresas e organizações, angariando 70 mil euros. Mas o parque custará, segundo a presidente da associação, perto de 140 mil euros.

Teresa Fraga destaca que este é o primeiro equipamento do género na Europa e o segundo a nível mundial, já que o primeiro nasceu no ano passado, no Texas. "Deve estar em funcionamento em finais de julho, início de agosto. Queremos que as crianças usufruam dele já este ano", adianta a responsável.

Criado em 2016, o Kastelo apoiou, até ao momento, quase 70 crianças em internamento e ambulatório, tendo passado a integrar a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados este ano. Tem como filosofia "dar vida aos dias" das crianças, disponibilizando-lhes o acesso a terapias diárias como fisioterapia, terapia da fala, terapia ocupacional, um professor, educadora e profissionais de saúde, (pediatras e enfermeiros) especializados na área da doença crónica.
Além da componente de lazer do parque aquático, que "que trará alegria e felicidade às crianças", a enfermeira Teresa Fraga destaca "a importância da água para o relaxamento e estimulação sensorial".

Ler mais

Exclusivos