Junta do Lumiar quer parquímetros junto ao Metro

Em causa as estações de Quinta das Conchas, Campo Grande e Lumiar.

A Junta de Freguesia do Lumiar pediu à Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) que estude a possibilidade de introduzir parquímetros nas zonas junto às entradas de três estações de metro, anunciou hoje o presidente.

"O que a EMEL está a fazer é o levantamento de todas as zonas críticas em que, através da introdução dos parquímetros, também incentiva (...) por um lado a disciplina do estacionamento e, nalguns casos, a utilização de parques públicos até com preços bastante razoáveis e baixos", afirmou o presidente da Junta de Freguesia do Lumiar, em declarações à agência Lusa.

Segundo Pedro Delgado Alves (PS), os principais problemas são identificados junto às estações do Lumiar (linha amarela do Metropolitano de Lisboa), Quinta das Conchas (também linha amarela) e Campo Grande (linhas amarela e verde).

"Nós temos problemas de estacionamento detetados, e alguns são cíclicos", frisou o autarca, acrescentando que as três estações "têm zonas que têm sido muito pressionadas pelo estacionamento de quem deixa o carro e vai para o metro", o que afeta maioritariamente os residentes.

Pedro Delgado Alves exemplificou que "na zona do centro do Lumiar há um parque que está em exploração, agora pela própria EMEL, e que antigamente era um parque do metro", frisando que "enquanto à superfície o estacionamento for gratuito, o parque não é utilizado".

"Quem sai penalizado são os residentes, que não conseguem encontrar lugar para estacionar", advogou.

Outro dos problemas identificados pelo presidente da Junta acontece nos dias de jogos de futebol que decorrem no estádio José Alvalade.

"O próximo contacto [com o Comando Metropolitano da PSP] vai no sentido de se propor um acesso garantido aos residentes nos dias de jogo [do Sporting], que não podem ser prejudicados e não podem deixar de aceder às casas", avançou o autarca.

Na opinião da Junta de Freguesia do Lumiar, "o ideal é que a zona da rua José Travassos, eminentemente residencial, seja poupada ao estacionamento dos autocarros e à concentração de adeptos, que causa diversos problemas", especialmente quando o Sporting defronta o Futebol Clube do Porto.

"Há outras alternativas e outros modelos que já se sabe que funcionam", frisou, acrescentando que "nos jogos com o Benfica este problema não se verifica".

A solução apontada por Pedro Delgado Alves passa por "deslocalizar o local da concentração [dos adeptos] e, depois, fazer o atravessamento [até ao estádio] sem prejudicar e sem causar transtorno aos residentes, que já têm o transtorno normal de morar ao pé de um estádio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.