Jumbo volta a liderar lista dos supermercados mais baratos

Estudo da DECO PROTESTE analisou quase 600 lojas em 70 concelhos. E pela terceira vez consecutiva lidera a mesma loja

O Jumbo é a cadeia de supermercados com os preços mais baixos entre as grandes superfícies comerciais em Portugal continental, revela um estudo da DECO PROTESTE que analisou quase 600 lojas em 70 concelhos.

Segundo o estudo, hoje divulgado, pela terceira vez consecutiva o Jumbo lidera a tabela dos preços mais baixos e a região Centro não é exceção, já que esta cadeia de supermercados aparece como melhor opção em concelhos como Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viseu.

Dos 106.536 preços de 243 produtos analisados em 591 lojas de Portugal entre janeiro e março deste ano, a Deco elaborou um cabaz com produtos de marca branca (38%) e de marca de fabricante (62%), seguindo a tendência de consumo das famílias portuguesas.

No estudo divulgado, a associação fez as contas para dois perfis de consumidor - quem gasta 150 euros por mês em supermercado e quem vai até aos 400 euros - e conclui que os que mais gastam são os que mais poupam, com o valor máximo de poupança a ser conseguido em Santarém, onde tanto se podem fazer bons negócios como desperdiçar quase 590 euros/ano, no caso do carrinho com o consumo mais elevado.

No anterior estudo da DECO PROTESTE, divulgado em março, o Jumbo também liderava a lista dos supermercados com preços mais baixos.

Contudo, segundo um inquérito online incluído neste estudo, o Jumbo e o Pão de Açúcar são opção apenas para 6% dos participantes e quase metade revela escolher o Continente na hora de fazer o maior volume de compras.

"Não será, contudo, a existência de um cartão de descontos a fazer pender os pratos da balança para o Continente, já que apenas um terço dos inquiridos afirma seguir as promoções dos supermercados à risca", refere a DECO.

Atrás do Jumbo, posicionam-se as cadeias Continente e Continente Modelo, onde os preços são, em média, 2% mais caros, mas a presença territorial é muito forte em todo o País, incluindo em regiões com menos população, como o Interior, os Açores e a Madeira.

A cadeia de supermercados Pingo Doce, também muito disseminada pelo País, fecha o pódio, com um patamar de preços 6% mais elevado do que o praticado pelo líder.

As cadeias mais caras do 'ranking' da DECO são o Intermarché, o Minipreço e o Lidl, nos dois últimos casos muito por culpa dos frescos.

"Muitas vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados. Já nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce", refere o estudo.

O trabalho da DECO indica ainda que os supermercados Jumbo ganham em toda a linha, com os melhores preços para o consumidor tanto nos produtos frescos como nos congelados, assim como na mercearia e nos produtos de higiene pessoal e do lar.

O Jumbo lidera os preços baixos nas lojas físicas e é também o mais barato na Internet. Na tabela das vendas online, o Jumbo é seguido pelo Continente e na terceira posição surge o Intermarché.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.