Julgado suspeito de abusos sexuais a três filhas adotivas

Homem de 50 anos abusou das filhas durante vários anos e caso foi descoberto porque a mais nova, de 14 anos, engravidou. Filho não era do pai

O Tribunal de Vila Real começa a julgar na segunda-feira um homem suspeito dos crimes de abuso sexual agravado e de maus tratos a três filhas adotivas e menores de idade.

O arguido, um empreiteiro de 50 anos, chega a tribunal acusado de três crimes de abuso sexual de crianças agravado, dois crimes de abuso sexual de menor dependente, três crimes de maus tratos a menores e um crime de detenção de arma proibida.

O Ministério Público (MP) acusa o homem de ter abusado sexualmente das três filhas adotivas durante vários anos e até março de 2016, altura em que foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) de Vila Real.

O alerta para este caso foi dado quando a escola denunciou a gravidez da filha mais nova, atualmente com 14 anos.

A menina foi retirada à família adotiva em janeiro do ano passado, suspeitando-se inicialmente que o bebé seria filho do arguido. No entanto, posterirmente, os testes de ADN revelaram ser filho de um jovem com quem a menor se relacionou.

A acusação refere ainda que, já em 2014, a rapariga denunciou o pai como seu abusador sexual à escola, instituição que resolveu fazer um apuramento dos factos confrontando o homem, que negou. A menina acabaria por referir que tinha mentido.

Depois de confirmada a gravidez, a escola deu o alerta à Escola Segura da GNR e, nesse mesmo dia, foi retirada de casa dos pais no âmbito de um procedimento de urgência e está, desde então, institucionalizada.

Apesar disso, segundo a acusação, os abusos às outras irmãs, com 16 e 17 anos, terão continuado até que as raparigas foram também retiradas à família adotiva, a 08 de março de 2016.

O Ministério Público acredita que os abusos sexuais às jovens ocorreram pelo menos uma vez por semana e em sítios distintos, desde a casa da família, a oficina e até mesmo na loja dos animais.

A acusação diz que o arguido agiu de "forma voluntária, livre e consciente com o intuito de satisfazer os seus instintos sexuais".

Para além destes crimes, o homem é ainda suspeito de maus tratos às menores, batendo-lhes com o cabo da enxada, o cinto ou réguas de madeira, e de as obrigar a "trabalhos excessivos" no campo.

O MP acredita que a mãe adotiva, uma professora universitária, "para além de se alhear da vida das menores permitindo que fossem reiteradamente abusadas sexualmente pelo pai, era também conivente com os trabalhos excessivos".

Por isso mesmo, a mulher é acusada de três crimes de mais tratos a menores, num processo que corre autonomamente.

Também o jovem de 21 anos, que se veio a comprovar ser o pai da bebé, foi constituído arguido e vai ser julgado num processo diferente.

Devido à natureza dos crimes e a idade das raparigas, o julgamento vai decorrer à porta fechada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.