Juiz Rui Rangel ganhou processo ao CM. Jornal tenta evitar penhoras

Três jornalistas, entre os quais o diretor, foram condenados a pagar 50 mil euros ao magistrado. Aviso de penhora dos ordenados foi feito, mas empresa pediu para prestar uma garantia bancária

A Presslivre, empresa proprietária do jornal Correio da Manhã, está a tentar evitar que o salário de três jornalistas, entre os quais o diretor, Octávio Ribeiro, seja penhorado para pagar uma indemnização de 50 mil euros ao juiz desembargador Rui Rangel. Segundo informações recolhidas pelo DN, depois de avisada através do processo que a penhora dos ordenados estava em marcha, a empresa fez chegar, há pouco tempo, um pedido de prestação de garantia bancária. Porém, este pode ter sido entregue fora do prazo.

Neste processo está em causa uma notícia publicada no jornal, a 9 de abril de 2013, intitulada "Rangel condenado por calote a clínica", notícia publicada pelo diário do grupo Cofina num contexto de eleições para a presidência do Benfica, nas quais Rui Rangel concorreu contra o atual presidente, Luís Filipe Vieira. Em causa estava uma decisão do Tribunal Cível de Lisboa, que condenou o juiz desembargador Rui Rangel ao pagamento à clínica Perfect-Shape de 1114 euros. A clínica havia intentado uma ação contra Rui Rangel, reclamando o pagamento de 2304 euros, acrescidos de 80,70 euros de juros de mora, pela realização de três tratamentos de modelação corporal.

Ao DN, o diretor do Correio da Manhã, Octávio Ribeiro, declarou: "Rui Rangel interpôs um processo por difamação numa situação em que os nossos jornalistas se limitaram a relatar o que foi dito em sessões públicas de julgamento. Nesse processo, Rangel foi condenado por dívidas não saldadas." Quanto ao processo movido por Rui Rangel, Octávio Ribeiro declarou que "em primeira instância fomos absolvidos, a Relação deu razão a Rui Rangel. O recurso está no Supremo e a Cofina prestou uma caução".

Com efeito, na primeira instância, a empresa proprietária do Correio da Manhã, o diretor, Octávio Ribeiro, o editor de desporto, Octávio Lopes, e a jornalista Rita Montenegro foram absolvidos de qualquer pagamento de indemnização.

A situação alterou-se quando, já neste ano, o Tribunal da Relação de Lisboa inverteu a decisão, condenando os réus ao pagamento de uma indemnização de 50 mil euros "por danos não patrimoniais" a Rui Rangel (entretanto, foi apresentado um recurso para o Supremo Tribunal de Justiça, mas que não suspende a execução do valor em causa). No acórdão, os juízes desem-bargadores Orlando Nascimento, Alziro Cardoso e Luís Espírito Santo consideraram que "à luz dos conhecimentos de um homem médio, bem informado, a que corresponde o brocardo latino bonus pater familias, quando se afirma de alguém que foi "acusado de calote" e que "foi condenado por calote" atribui-se-lhe o epíteto de "caloteiro", qualidade negativa que, necessariamente, o afetará na honra e consideração que lhe é devida".

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.