Juiz acusado de violência doméstica: "Não estás a cumprir com as tuas obrigações"

Ex-companheira do magistrado disse em tribunal que se sentiu "como um objeto sexual" ao ser "maltratada e enxovalhada". Apresentou queixa por ter medo que o juiz influenciasse a justiça

Um juiz de Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, foi acusado de enviar mensagens ameaçadoras e obscenas à ex-companheira. Vítor Vale, de 50 anos, disse na última segunda-feira em tribunal que as ofensas eram mútuas e que "a linguagem imprópria e indecorosa foi recíproca e aceite pelos dois".

Numa das mensagens reveladas no julgamento, de acordo com o Jornal de Notícias, pode ler-se: "O teu dever é estares na cama sempre que eu me deitar e sempre que eu acordar. Não estás a cumprir com as tuas obrigações".

O magistrado Vítor Vale está a ser julgado no Tribunal da Relação de Guimarães por um crime de violência doméstica alegadamente exercido psicologicamente contra Alexandra Pinto Basto, também de 50 anos.

Na sequência do fim da relação entre ambos, que durou entre 2007 e 2011, Vítor Vale terá enviado 12 mensagens intimidatórias, ameaçadoras ou obscenas, por não aceitar a separação. Porém, na primeira sessão do julgamento afirmou que se lembra do envio de uma mensagem, mas não se recorda das outras, apesar de admitir que elas possam existir. uma vez que era "uma linguagem usada num contexto" de uma relação conflituosa: "Esta relação construiu-se assim. Eu não acredito que o tribunal pense que só eu é que enviava. Enviei milhares de mensagens e também recebi".

Vítor Vale terá insultado a ex-companheira por SMS, chamando-lhe nomes como "porca", "mentirosa", "miserável", e outras palavras, ameaçando-a ainda que ela se ia arrepender e que os juízes "mandam nesta m... toda".

Alexandra Pinto Basto é assistente no processo e também prestou declarações em tribunal na segunda-feira. Alegou existirem mais mensagens ofensivas que não terão sido guardadas, e que se sentiu "como um objeto sexual", ao ser "maltratada e enxovalhada". Do mesmo modo, rejeitou o facto de as ofensas serem recíprocas. "A nossa linguagem nunca foi essa. Ele era uma pessoa muito calma", argumentou.

Vítor Vale acusou Alexandra de só ter mostrado as mensagens ao Ministério Público depois de ele ter testemunhado contra ela no âmbito de um processo que envolveu a herança do pai. Porém, Alexandra desmentiu a acusação, argumentando que só fez queixa em 2014 por ter medo que Vítor conseguisse influenciar a justiça.

Ler mais

Exclusivos