Jovens portugueses já bebem álcool como os nórdicos

Consumo de álcool foi proibido a menores de 18 anos a 1 de julho

Festas académicas, dias da semana com preços reduzidos, publicidade e promoções potenciam o consumo desregrado

Litradas, happy hours, ladies nights, shots a metro, promoções. Os jovens portugueses têm vindo a adquirir padrões de consumo de álcool próximos dos nórdicos - grandes quantidades na mesma ocasião -, o que, segundo a Sociedade Portuguesa de Alcoologia, está relacionado com o facto de as bebidas serem baratas e o acesso fácil. Só durante o cortejo da latada da Covilhã, no dia 21, 65 estudantes receberam assistência pré-hospitalar e 12 foram transferidos para o hospital devido ao consumo excessivo de álcool, situação que nesta altura se repete por todo o país.

A preferência dos jovens portugueses recai sobretudo na cerveja e nas bebidas espirituosas. "E assiste-se à aquisição de modelos próximos dos nórdicos. Há um consumo intenso e cada vez mais frequente de bebidas destiladas, mais graduadas", disse ao DN Augusto Pinto, presidente da Sociedade Portuguesa de Alcoologia, que debateu o tema nas suas 23.as jornadas, na Universidade da Beira Interior. Na opinião do hepatologista Fernando Ramalho, "há muito tempo que isto acontece. Há mais de uma década que os padrões de consumo são completamente diferentes".

Para o presidente da Sociedade Portuguesa de Alcoologia, a acessibilidade e o preço são as duas grandes explicações para o problema. "As festividades académicas, promovidas pelas cervejeiras, prologam-se cada vez mais dias e até às seis da manhã, os bares dirigem festas às mulheres e dedicam noites a bebidas destiladas. Também há litradas, bebidas vendidas a metro e outras promoções", exemplifica o responsável. Nas festas académicas, realça, "o preço das bebidas alcoólicas, nomeadamente da cerveja, é francamente mais baixo do que o da água. E, apesar da crise, bebe-se mais porque o álcool é bastante económico".

O preço das bebidas alcoólicas, nomeadamente da cerveja, é francamente mais baixo do que o da água

Em Portugal, um dos países com maior consumo de álcool per capita a nível mundial (10,8 litros), a situação pode até tornar-se mais grave do que nos países nórdicos. "Eles consomem preferencialmente ao fim de semana e com intensidade. Aqui, além do consumo tradicional, há o excessivo em alguns dias, nomeadamente nas quintas feiras académicas e ao fim de semana", esclarece Augusto Pinto. Segundo Manuel Cardoso, vice-presidente do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD), assiste-se ao consumo de quatro ou cinco bebidas seguidas e "os jovens bebem com o objetivo pré-definido de ficarem alegres".

Num estudo do SICAD feito em 2014 - "Os jovens, o álcool e a lei" -, só 17% dos 1500 jovens entrevistados nunca tinham tomado bebidas alcoólicas. A maioria (63%) começou a beber antes dos 16 anos, sobretudo entre os 13 e os 15, e 70% assumiram que tinham bebido álcool recentemente. Os consumos nocivos surgem, sobretudo, a partir dos 16 anos e, apesar de serem os que bebem mais e até ficarem "alegres", os que têm entre 19 e 24 são os que menos se embriagam de "forma severa".

Cirroses hepáticas mais cedo

Os consumos precoces têm conduzido ao aparecimento de doenças relacionadas com o álcool cada vez mais cedo. Segundo o presidente da SPA, "há mais cirroses em indivíduos cada vez mais novos". Manuel Cardoso confirma e explica que se deve ao facto de os jovens "começarem a beber muito cedo e com padrões de consumo problemáticos". Há alguns anos, os casos surgiam, sobretudo, entre os 40 e os 50 anos. "É arrepiante ver cirroses a aparecerem antes dos 30."

Este fenómeno tem vindo a ser percecionado por Fernando Ramalho no serviço de hepatologia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. "A idade média para o aparecimento destas doenças tem vindo a diminuir." Há zonas do país, destaca o hepatologista, onde "a partir dos 11 anos as crianças já bebem cerveja regularmente".

Outro dado preocupante, diz Augusto Pinto, é o facto de o consumo de álcool entre as jovens do sexo feminino estar a aproximar-se do consumo entre os do sexo masculino. "Há cada vez menos diferença entre os consumos dos dois grupos e uma clara preferência destas jovens pelas bebidas destiladas", frisa o presidente da SPA. Esta tendência ganha especial relevo, tendo em conta o facto de "a vulnerabilidade para as doenças hepáticas ser maior nas mulheres do que nos homens".

Aos Alcoólicos Anónimos chegam cada vez mais jovens. "Há muitos que nos procuram e participam nos grupos, sobretudo maiores de 20 anos. Há um ou outro caso mais novo, mas são pontuais", disse ao DN fonte da associação. Este crescimento na procura, sublinha, estará relacionado "com uma maior consciencialização de que precisam de ajuda".

Para os especialistas ouvidos pelo DN, a alteração à lei do álcool foi importante, mas não chega. "É preciso educar e fiscalizar", destaca Fernando Ramalho, lembrando que o álcool provoca 62 doenças, acidentes de trânsito, alterações de comportamento. "É o drama da sociedade portuguesa", sublinha.

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Portugal
Pub
Pub