Jovens desafiados a promover o desenvolvimento sustentável

A Plataforma Portuguesa das Organizações Não-Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) lançou um concurso destinado aos jovens, onde têm de criar um blogue que aborde as várias dimensões do desenvolvimento sustentável.

O concurso, para além das questões relacionadas com o design e o grafismo, terá em avaliação a abordagem e o conhecimento sobre o desenvolvimento sustentável, social, económico, cultural e ambiental.

Com o objetivo de "informar e formar os jovens sobre questões relacionadas com o desenvolvimento sustentável", o concurso destina-se a jovens dos 12 aos 18 anos e a participação irá ser feita em grupos de duas ou três pessoas.

"Cada blogue terá obrigatoriamente de ser criado de raiz e apresentar, no mínimo, cinco publicações sobre o desenvolvimento sustentável, publicados entre 25 de fevereiro e 30 de abril de 2013", refere a plataforma em comunicado, acrescentando que as propostas terão de ser enviadas até 30 de abril, sendo que o vencedor será anunciado no dia 31 de maio.

O júri da iniciativa será constituído por um representante da Plataforma Portuguesa das ONGD, a Responsável pela Comunicação para Portugal do Centro Regional de Informação das Nações Unidas(UNRIC) e um representante do Impulso Positivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.