Jovens apanhados a roubar gasóleo por "encomenda"

A Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve esta quinta-feira, dois jovens de 19 anos apanhados "em flagrante delito" a furtar gasóleo "por encomenda", em Alvarães, Viana do Castelo.

Os dois jovens, residentes em Santa Marta de Portuzelo e Torre, concelho de Viana do Castelo, foram apanhados pelos militares da GNR, cerca das 01.00, após "movimentações suspeitas" detetadas na zona de Alvarães.

"As detenções consumaram-se depois de terem sido detetadas movimentações suspeitas de uma viatura ligeira de passageiros junto ao parque de estacionamento de uma empresa de transportes", explicou fonte da GNR à Lusa. Os militares optaram por "aguardar a oportunidade para a intervenção", que consumaram "quando o crime estava a ser praticado".

Os militares apreenderam quatro bidões de plástico, uma mangueira, luvas e telemóveis, entre outras ferramentas, que se encontravam na viatura dos dois jovens - um deles já com antecedentes criminais e nenhum com habilitações legais para conduzir.

A GNR sublinhou que tinham ainda na sua posse um "manuscrito" que "indicia fortemente que o furto tinha sido por encomenda".

O alegado "comprador/recetador" do gasóleo, um homem de 30 anos residente em Viana do Castelo, também foi identificado nesta investigação. Ainda de acordo com a GNR, diligências posteriores dos militares permitiram apurar que os detidos "já tinham perpetrado diversos furtos semelhantes" no concelho de Viana do Castelo.

Os dois serão presentes hoje ao Tribunal de Viana do Castelo, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.