Jovem com incapacidade de 97% convocada para Dia da Defesa Nacional

A mãe indignou-se contra uma convocatória que prevê sanções para quem não comparecer à data comemorativa

A mãe de uma adolescente de 18 anos, portadora de uma deficiência com um nível de incapacidade de 97%, escreveu um longo texto no seu blogue, "A mãe da Maria by Ana Rebelo", onde se insurge contra uma convocatória recebida pela filha que a obriga a comparecer ao Dia da Defesa Nacional, celebrado a 31 de janeiro. A falta injustificada, segundo o documento, "resulta na situação Militar Irregular, ficando a Maria sujeita à aplicação de sanções previstas na lei".

A carta aberta, que se pode ler, na íntegra, no sítio da Internet de Ana Rebelo, é dirigida ao Diretor-Geral de Recursos da Defesa Nacional, que assina a convocatória, e tem como assunto a 14.ª Edição do Dia da Defesa Nacional. "Por motivos óbvios, na impossibilidade de ser ela a responder, escrevo-lhe eu, a "mãe da Maria", começa por escrever a bloguer.

"Peço-lhe que me esclareça algumas dúvidas antes de ela se apresentar", acrescenta a mãe, que depois elenca uma série de requisitos indispensáveis para a comparência da Maria.

"Na convocatória pode ler-se que a falta injustificada resulta na situação Militar Irregular, ficando a Maria sujeita à aplicação de sanções previstas na lei. Não queremos que isso aconteça e a verdade é que a Maria não tem justificação para não comparecer; não está doente (deficiência não é doença), não tem testes ou exames na escola e está no país".

A Maria até gostaria de comparecer - segundo a progenitora - que, no entanto, se preocupa com o que pode fazer falta nesse dia e com a possibilidade do Ministério da Defesa Nacional, através das Forças Armadas, poderem providenciar "Espaço para colocar a cadeirinha, de preferência num local com boa visibilidade, e alguém para a empurrar; Instalações sanitárias com muda fraldas e alguém para as mudar; Almoço: qualquer coisa a Maria é bom garfo -, mas tem de ser passado e ficar em ponto Cerelac, porque ela não mastiga. Ah, não come sozinha. Lanches: seringas de alimentação e gente capacitada para dar comida por sonda. O iogurte (sem pedaços) a meio da manhã e da tarde tem de ser dado pela gastroestomia. Não é nenhum luxo, é que a Maria não ingere líquidos pela boca e se se engasga, aí é que são elas!".

Além de todos estes cuidados que fazem parte do dia a dia da jovem, Ana Rebelo, em tom irónico, acrescenta: "Podem ocorrer algumas aventuras com a prótese ocular que não vale a pena estar aqui a descrever, mas convém ter na equipa alguém que domine o manuseamento deste apetrecho".

De acordo com a Lei d Serviço Militar (Lei n.º 174/99, de 21 de Setembro), no Artigo 57.º, que diz respeito aos "Deveres gerais dos cidadãos gerais dos cidadãos", "O cidadão (...) tem o dever de: b) Comparecer na hora e local designados para o Dia da Defesa Nacional;"

Ana Rebelo leu as circunstâncias em que a filha poderia ser dispensada, e que consta no Artigo 37.º: "Dispensa de comparência ao Dia da Defesa Nacional" - "Os cidadãos referidos no n.º 4 do artigo 11.º que padeçam de doença prolongada comprovada pela autoridade pública competente ou que residam legalmente no estrangeiro com caráter permanente e contínuo não estão sujeitos ao dever de comparência ao Dia da Defesa Nacional".

De acordo com fonte próxima da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, "provavelmente a convocatória é realizada de forma automática", pelo que não será possível detetar os jovens que não poderão comparecer por motivos semelhantes aos da filha de Ana Rebelo.

A bloguer partilhou o texto na sua página de Facebook, e uma mãe, em resposta, contou que passou por situação semelhante e explicou como poderá Ana Rebelo proceder.

"É perfeitamente normal, também aconteceu com o meu filho, que tem paralisia cerebral e diagnóstico de 93% de incapacidade (tetraplégico)... Infelizmente os dados não são cruzados e eles apenas se limitam a enviar as convocatórias quando chegam ao período da idade estabelecida. Apenas tem que enviar a declaração que está disponível no site que eles dispõem, devidamente preenchida com os dados e a respetiva cópia do atestado de incapacidade. Irão enviar o cartão da cédula militar com a devida dispensa", lê-se no comentário de Isabel Oliveira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.