Jovem com incapacidade de 97% convocada para Dia da Defesa Nacional

A mãe indignou-se contra uma convocatória que prevê sanções para quem não comparecer à data comemorativa

A mãe de uma adolescente de 18 anos, portadora de uma deficiência com um nível de incapacidade de 97%, escreveu um longo texto no seu blogue, "A mãe da Maria by Ana Rebelo", onde se insurge contra uma convocatória recebida pela filha que a obriga a comparecer ao Dia da Defesa Nacional, celebrado a 31 de janeiro. A falta injustificada, segundo o documento, "resulta na situação Militar Irregular, ficando a Maria sujeita à aplicação de sanções previstas na lei".

A carta aberta, que se pode ler, na íntegra, no sítio da Internet de Ana Rebelo, é dirigida ao Diretor-Geral de Recursos da Defesa Nacional, que assina a convocatória, e tem como assunto a 14.ª Edição do Dia da Defesa Nacional. "Por motivos óbvios, na impossibilidade de ser ela a responder, escrevo-lhe eu, a "mãe da Maria", começa por escrever a bloguer.

"Peço-lhe que me esclareça algumas dúvidas antes de ela se apresentar", acrescenta a mãe, que depois elenca uma série de requisitos indispensáveis para a comparência da Maria.

"Na convocatória pode ler-se que a falta injustificada resulta na situação Militar Irregular, ficando a Maria sujeita à aplicação de sanções previstas na lei. Não queremos que isso aconteça e a verdade é que a Maria não tem justificação para não comparecer; não está doente (deficiência não é doença), não tem testes ou exames na escola e está no país".

A Maria até gostaria de comparecer - segundo a progenitora - que, no entanto, se preocupa com o que pode fazer falta nesse dia e com a possibilidade do Ministério da Defesa Nacional, através das Forças Armadas, poderem providenciar "Espaço para colocar a cadeirinha, de preferência num local com boa visibilidade, e alguém para a empurrar; Instalações sanitárias com muda fraldas e alguém para as mudar; Almoço: qualquer coisa a Maria é bom garfo -, mas tem de ser passado e ficar em ponto Cerelac, porque ela não mastiga. Ah, não come sozinha. Lanches: seringas de alimentação e gente capacitada para dar comida por sonda. O iogurte (sem pedaços) a meio da manhã e da tarde tem de ser dado pela gastroestomia. Não é nenhum luxo, é que a Maria não ingere líquidos pela boca e se se engasga, aí é que são elas!".

Além de todos estes cuidados que fazem parte do dia a dia da jovem, Ana Rebelo, em tom irónico, acrescenta: "Podem ocorrer algumas aventuras com a prótese ocular que não vale a pena estar aqui a descrever, mas convém ter na equipa alguém que domine o manuseamento deste apetrecho".

De acordo com a Lei d Serviço Militar (Lei n.º 174/99, de 21 de Setembro), no Artigo 57.º, que diz respeito aos "Deveres gerais dos cidadãos gerais dos cidadãos", "O cidadão (...) tem o dever de: b) Comparecer na hora e local designados para o Dia da Defesa Nacional;"

Ana Rebelo leu as circunstâncias em que a filha poderia ser dispensada, e que consta no Artigo 37.º: "Dispensa de comparência ao Dia da Defesa Nacional" - "Os cidadãos referidos no n.º 4 do artigo 11.º que padeçam de doença prolongada comprovada pela autoridade pública competente ou que residam legalmente no estrangeiro com caráter permanente e contínuo não estão sujeitos ao dever de comparência ao Dia da Defesa Nacional".

De acordo com fonte próxima da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, "provavelmente a convocatória é realizada de forma automática", pelo que não será possível detetar os jovens que não poderão comparecer por motivos semelhantes aos da filha de Ana Rebelo.

A bloguer partilhou o texto na sua página de Facebook, e uma mãe, em resposta, contou que passou por situação semelhante e explicou como poderá Ana Rebelo proceder.

"É perfeitamente normal, também aconteceu com o meu filho, que tem paralisia cerebral e diagnóstico de 93% de incapacidade (tetraplégico)... Infelizmente os dados não são cruzados e eles apenas se limitam a enviar as convocatórias quando chegam ao período da idade estabelecida. Apenas tem que enviar a declaração que está disponível no site que eles dispõem, devidamente preenchida com os dados e a respetiva cópia do atestado de incapacidade. Irão enviar o cartão da cédula militar com a devida dispensa", lê-se no comentário de Isabel Oliveira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.