José Luís Carneiro visita sul de França e Córsega

Visita do secretário de Estado das Comunidades acontece já neste fim de semana e inclui encontros com dirigentes do movimento associativo português e com responsáveis políticos locais e regionais

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, realizará uma visita ao sul de França e à Córsega entre os dias 11 e 14 de maio. A deslocação inicia-se no município de Beausoleil, onde José Luís Carneiro participará na inauguração de um Memorial em homenagem ao Corpo Expedicionário Português na Primeira Guerra Mundial e visitará uma exposição sobre a participação portuguesa naquele conflito ocorrido há 100 anos. Seguir-se-á uma visita ao município de Sainte-Maxime, onde terá lugar a Gala Anual da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa.

O programa incluirá, também, a participação do Secretário de Estado na cerimónia de inauguração da Cátedra Eduardo Lourenço, na Universidade de Aix-Marselha. Esta cerimónia contará também com a presença do presidente do Instituto Camões, Luís Faro Ramos.

José Luís Carneiro partirá, depois, para a sua primeira visita à Córsega, onde irá dialogar com membros da comunidade portuguesa, com dirigentes do movimento associativo português e com responsáveis políticos locais e regionais.

PROGRAMA

11 de março, sexta-feira

10H30 - Inauguração do Memorial Português no Cemitério de Beausoleil

11H30 - Visita à exposição "Le Portugal et la Grande Guerre", na Galeria do Serviço Cultural do Município de Beausoleil

21h30 - Participação no Jantar Anual da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa em Sainte-Maxime

12 de março, sábado

10H00 - Cerimónia de inauguração da Cátedra Eduardo Lourenço, na Universidade de Aix-Marselha, em Aix-en-Provence

12H00 - Almoço na Universidade de Aix-Marselha com participantes no colóquio sobre Valorização do Património da Diáspora promovido pelo projeto "Pensando Goa"

16H00 - Encontro com membros da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa em Sainte-Maxime

13 de março, domingo

18H00 - Partida para Ajaccio, Córsega

19H30 - Visita à Associação de Portugueses de Ajaccio e encontro com representantes da comunidade portuguesa

20H30 - Jantar com dirigentes da Associação de Portugueses de Ajaccio

14 de março, segunda-feira

09H00 - Encontro com o Presidente do Conselho Executivo da Córsega, Gilles Simeoni

10H00 - Encontro com o Presidente da Assembleia da Córsega, Jean-Guy Talamoni

11H00 - Encontro com o Maire de Ajaccio, Laurent Marcangeli

12H00 -Encontro com o Prefeito da Córsega, Bernard Schemltz

12H30 - Visita ao Consulado Honorário de Portugal em Ajaccio

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.