José Eduardo Martins coordena programa eleitoral do PSD em Lisboa

O antigo secretário de Estado, que tem sido crítico da direção de Passos, aceitou o convite da Comissão Política da concelhia do partido, mas não será o candidato do PSD à Câmara de Lisboa nas autárquicas do próximo ano

"A minha disponibilidade foi para coordenar o programa do PSD, um programa para uma cidade onde ainda há muito para desejar, da Ameixoeira ao Chiado. Um programa para uma cidade vítima de obras de sustentabilidade questionável", afirma José Eduardo Martins ao DN.

Numa crítica direta ao atual presidente da autarquia e que será o candidato do PS nas próximas autárquicas, Fernando Medina, o antigo deputado do PSD diz que "há falta de estratégia na cidade e a incapacidade de casar a modernidade com a tradição". É esse o programa que diz ir desenhar, o qual se comprometeu a entregar no início de 2017, até 31 de março, para uma "Lisboa com futuro". Nos próximos três ou quatro meses irá ouvir, em conjunto com a "excelente equipa" que o ajudará nesta tarefa, todos os setores da cidade.

"É um desafio não para ter protagonismo, mas para ajudar o PSD numa tarefa muito importante. Há muito tempo que não me desafiavam para nada do género", diz. Na verdade, o ex-ministro da Defesa, José Pedro Aguar-Branco tinha-o desafiado a ser candidato à Câmara de Lisboa, no último congresso do PSD, em abril deste ano. Isto depois de José Eduardo Martins ter criticado Pedro Passos Coelho por não ter apresentado qualquer proposta e rejeitado todas as outras para o Orçamento do Estado para 2016.

Ao desafio que lhe foi feito então responde: "Isso foi uma boutade do congresso, mais do que um desafio sério. Sério foi o convite do PSD de Lisboa e esse merece toda a minha disponibilidade".

O antigo deputado do PSD garante que, durante os dois meses de conversa com a Comissão Política Distrital de Lisboa, presidida por Mauro Xavier, nunca lhe foi pedida qualquer contenção nas críticas à direção do partido.

Embora também diga que não é esta a altura para discutir os nomes dos candidatos do partidos às autárquicas, admite que também ele veria com bons olhos que Pedro Santana Lopes, "o candidato natural do partido", viesse a encabeçar a lista do PSD ao principal município do país. "Assim ele queira", diz.

Em comunicado, Mauro Xavier afirma que José Eduardo Martins é uma "personalidade de grande experiência e prestígio dentro e fora do partido" e "uma das vozes mais respeitadas e incisivas do PSD".

José Eduardo Martins tem sido visto como um potencial candidato à liderança do PSD e no último congresso do partido foi uma das poucas vozes que criticou as opções de Passos Coelho, tanto enquanto primeiro-ministro como enquanto líder da oposição. Desde que foi vice-presidente do grupo parlamentar e da Comissão Política do PSD, durante a liderança de Manuela Ferreira Leite, que não tinha sido chamado a participar nos desafios do partido.

Atualmente advogado, foi secretário de Estado do Ambiente de Durão Barroso e de Pedro Santana Lopes.

Exclusivos