Jornal espanhol divulga lista de material roubado em Tancos

O jornal refere que a lista foi passada às forças antiterroristas espanholas e a outras unidades europeias

O jornal El Epanhol publicou uma lista com todo o material roubado em Tancos. Segundo a publicação online espanhola, este é o "inventário definitivo" das "novas razões" para as quais as forças de segurança europeias têm de estar alerta.

O jornal refere que a lista foi passada às forças antiterroristas espanholas, uma vez que Portugal não descarta a possibilidade de o material roubado poder acabar nas mãos de um grupo terrorista.

O material foi roubado das instalações militares dos Paióis Nacionais de Tancos na quarta-feira, uma falha de segurança que já levou a exoneração de cinco comandantes das unidades envolvidas e que já levou o ministro a assumir a responsabilidade política, sem pôr o lugar à disposição.

Lista:

1450 Cartuchos de 9mm

22 Bobinas de fio para ativação por tração (bobinas de tropeçar)

1 Disparador de descompressão

24 Disparadores de tração lateral multidimensional inerte

6 Granadas de mão de gás lacrimogéneo CS/MOD M7

10 Granadas de mão de gás lacrimogéneo CM Anti-motim M/968

2 Granadas de mão de gás lacrimogéneo Triplex CS

90 Granadas de mão ofensivas M321

30 Granadas de mão ofensivas M962

30 Granadas de mão ofensivas M321

44 Granadas antitanque 66 mm com espoleta M4112A1 com lançamento M72A3 - M/986 LAW

264 Unidades de explosivo plástico PE4A

30 CCD10 (Carga de corte)

57 CCD20 (Carga de corte)

15 CCD30 (Carga de corte)

60 Iniciadores IKS

30,5 Lâminas KSL (Lâmina explosiva)

Contactado pela agência Lusa, o Exército escusou-se a comentar a notícia do jornal espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.