João Costa: "Construir um currículo que potencia a inclusão"

Secretário de Estado da Educação diz ao DN que prioridade do governo é Plano para a promoção do Sucesso Escolar. Fala também da colocação de professores e de alunos com necessidades especiais

Qual é a principal prioridade do ministério para este ano letivo?

A prioridade é o acompanhamento e a concretização do Plano Nacional para Promoção do Sucesso Escolar. As escolas vão desenvolver os seus planos, para os quais estamos a afetar recursos humanos. O ministério vai lançar, ao longo do ano, cerca de duas dezenas de ações de formação contínua e dotar os Centros de Formação dos Agrupamentos de Escolas para poderem executar os planos de formação e fornecer formação gratuita aos docentes, em articulação com Instituições de Ensino Superior. Ao longo do ano, será discutido e desenhado o perfil de competências do aluno, a partir do qual se efetivará a flexibilização da gestão curricular, na construção de um currículo que potencia a inclusão.

As alterações feitas ao nível dos concursos de professores permitem um arranque mais tranquilo?

Sim. Os contactos que temos tido com diretores permitem-nos afirmar que o arranque deste ano letivo se caracteriza por uma maior tranquilidade do que o que foi vivido em anos anteriores. Em agosto, ficaram preenchidos todos os horários indicados pelas escolas. Tentaremos antecipar a preparação do ano letivo para as datas que consideramos garantir maior estabilidade a todos e, nesse sentido, trabalhamos com os diretores e professores.

A exigência de que os alunos com necessidades educativas especiais passem 60% do tempo escolar integrados nas turmas, para que estas possam ter uma redução, gerou apreensão. O ministério vai acompanhar a medida, para garantir que não terá efeitos contraproducentes, como reduzir apoios individuais a quem precisa deles?

A atividade da Educação Especial é sempre acompanhada. É nosso pressuposto que a inclusão não se confunde com integração. Não basta ao aluno com deficiência estar na escola. Ele tem de estar com os outros e os outros crescem no contacto com eles. Por isso, a escola inclusiva é aquela em não há lugar a dizer que um aluno - seja qual for a sua condição - "não está a fazer nada na aula". Isto passa pela construção de um currículo mais inclusivo que também é resposta a estes alunos. É de notar que temos 41% de turmas com 20 alunos, o que sugere que teremos mais alunos com necessidades especiais com lugar na sala de aula. Os restantes apoios continuam a ser assegurados.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.