Jihadismo islâmico matou 13 portugueses

A mulher de 74 anos em Barcelona foi a 13ª vítima portuguesa em atentados terroristas desde o 11 de setembro de 2001

Os atentados terrorista já mataram 13 portugueses desde o ataque de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque. A última foi uma mulher de 74 anos, atropelada mortalmente pela carrinha conduzida por um militante islâmico na Catalunha. Nestes 16 anos de atentados terroristas morreram portugueses em lugares tão dispersos pelo mundo como Estados Unidos, Indonésia, Marrocos, Mali, Tunísia, França e Burkina Faso.

Barcelona foi o último palco trágico. A portuguesa, residente em Lisboa, tinha chegado a Espanha na companhia da neta para uma viagem de turismo, umas horas antes do ataque. Depois de se terem alojado num hotel em Barcelona saíram para passear em Las Ramblas. A neta de 20 anos foi dada como desaparecida, mas ontem à noite os pais da jovem foram chamados pelas autoridades espanholas para verificarem a identidade de uma das vítimas no Instituto Forense, segundo informação do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas à Lusa.

"Tinham chegado ontem a Barcelona. Um familiar contactou os serviços consulares após o atentado. Foi confirmada a morte da senhora de 74 anos mas ainda não se sabe do paradeiro da jovem de 20 anos", tinha dito antes José Luís Carneiro. O familiar, que já se encontra em Barcelona, é o filho da vítima mortal e pai da jovem desaparecida, e a quem o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apresentou por telefone "as suas sentidas condolências". Entre os 135 feridos registados não há portugueses, realçou José Luís Carneiro.

Dos EUA a Barcelona

Cinco portugueses morreram nos atentados de 11 de setembro de 2001. Alguns trabalhavam nas Torres Gémeas em Nova Iorque. António Rocha, Carlos da Costa, João Aguiar, Manuel da Mota e António Carrusca Rodrigues tinham entre 30 e 41 anos. Um ano depois, na Indonésia, o soldado paraquedista Diogo Riberinho foi uma das 202 vítimas mortais dos atentados de outubro de 2002 na ilha de Bali. Membro do contingente destacado em Timor-Leste, encontrava-se na altura de férias.

Em Marrocos, em 2011, num atentado contra o turístico café Argana, em Marraquexe, 17 pessoas morreram, na maioria estrangeiros, entre eles André Silva, português de 23 anos. No Mali, em 2014, Gilberto Leal foi morto por um grupo jihadista que o raptara dois anos antes. Na Tunísia, em 2015, Maria da Glória Moreira, 76 anos, viúva, foi uma das 38 vítimas mortais de um ataque terrorista a um resort em Sousse, a 26 de junho. Nos atentados de Paris, em novembro de 2015, estavam três portugueses entre os 130 mortos, entre eles Manuel Colaço Dias, 63 anos, de Mértola (no atentado junto ao Estádio de França), Précilia Correia, 35,do Montijo (no clube Bataclan), e Christine Gonçalves, de 50 anos. Em janeiro de 2016, 29 pessoas morreram nos no Burkina Faso, entre elas António Basto, natural de Massarelos, que vivia em França desde os sete anos.

Nível de alerta no grau 3

O DN confirmou com fonte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que não houve ainda ordem para reforçar a segurança nos postos fronteiriços terrestres, aeroportos e portos e que o nível de alerta se mantém no grau 3 (moderado), numa escala de 0 a 5. O Presidente da República, em declarações à RTP, referiu que o Governo considera que não existe, para já, necessidade de aumentar o nível de alerta em Portugal. Desde os atentados de Paris, em novembro de 2015, que as forças de segurança exibiram uma presença mais musculada nos aeroportos e em alguns locais emblemáticos de Lisboa e Porto. A Unidade Especial de Polícia da PSP está desde então sempre presente no aeroporto de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.