Jerónimo: Património do PCP não se deve "a favores do Estado"

Secretário-geral do PCP falou no espaço que irá acolher a festa do Avante! nos próximos dias 2, 3 e 4 de setembro

O secretário-geral do PCP enalteceu hoje, no espaço da Festa do Avante!, a forma como o partido obteve o seu património, graças a contribuições de militantes e amigos e não devido a "favores do Estado" ou de "grupos económico-financeiros".

"Quando hoje alguns registam que o PCP tem um património significativo, omitem sempre como é que foi alcançado: não tivemos favores do Estado, nem de nenhum grupo económico-financeiro. Foi a contribuição de militantes e amigos do partido, de muitos democratas e amigos da festa", disse Jerónimo de Sousa numa ação junto dos muitos voluntários que preparam o espaço que acolherá a Festa do Avante!, a 2, 3 e 4 de setembro.

O dirigente comunista sublinhou que estas contribuições dos militantes e amigos do PCP "têm a garantia da regra de ouro" dos comunistas: "tais contribuições não são para beneficiar nem militantes, nem eleitos, nem dirigentes. São, no respeito pelo princípio ético que conquistamos na política, não para nos servirmos a nós próprios, mas para servir os trabalhadores e o povo português".

Presentes no local, várias centenas de voluntários, militantes, membros da Juventude Comunista e simpatizantes interromperam várias vezes o discurso de Jerónimo de Sousa com gritos de "Assim se vê, a força do PC".

Jerónimo de Sousa agradeceu a todos os que participam nos trabalhos da Festa do Avante!, em especial aos "construtores e aos que organizam, arquitetam, projetam e divulgam" a "maior festa da juventude" em Portugal.

"Este ano comemoramos o 40º aniversário da Festa do Avante! Uma Festa maior e melhor, com a aquisição da Quinta do Cabo", recordou Jerónimo de Sousa, acrescentando que essa aquisição resultou de uma "audaciosa campanha de fundos, num tempo em que os trabalhadores e o povo eram fustigados nos seus salários, nos seus rendimentos e nos seus direitos".

A integração da Quinta do Cabo nos terrenos tradicionais da Festa do Avante!, recordou o secretário-geral do PCP, implicou não só "a preparação do terreno", como também "movimentação de terras, uma nova vedação, uma nova entrada para a Festa".

"Colocaram-se de raiz todas as infraestruturas de energia, iluminação pública, de água, de esgotos, de comunicações. Construímos novos arruamentos, colocando lancis a pulso, plantámos novas árvores, preparamos o espaço para a colocação das organizações e espaços centrais, construímos o novo espaço criança. De ano para ano teremos uma Festa melhor", sublinhou o dirigente.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.